Évora prepara candidatura a Capital Europeia da Cultura em 2027

Carlos Pinto Sá, presidente da Câmara Municipal de Évora, e António Ceia da Silva, presidente da Turismo e Alentejo/Ribatejo, reforçaram o objectivo de que Évora seja a cidade portuguesa escolhida para Capital Europeia da Cultura em 2027.

Na sessão de abertura do Workshop Internacional “Culture Capital Cities”, que decorreu naquela cidade e contou também com a presença de Ana Paula Amendoeira, directora Regional da Cultura do Alentejo, a importância regional da candidatura e a abertura do processo à sociedade civil foram os aspectos destacados.

Após a primeira fase de estudo do processo, com início há dois anos, a cidade começa agora a fase de elaboração da candidatura oficial, que deverá ser apresentada à União Europeia no próximo ano.

«O objectivo é apresentar uma candidatura ganhadora e afirmar Évora como Capital Europeia da Cultura”, referiu Carlos Pinto Sá, acrescentando, no entanto, que é importante que “seja também um processo que deixe marca na cidade e na região e que possa contribuir para o desenvolvimento local, independentemente do resultado para 2027”, para realçar que pretende-se ”é transformar a cidade de Évora e dar-lhe peso nacional e internacional”.

Apresentando os vários elementos ao nível do património, ambiente e cultura que distinguem Évora como candidata a Capital Europeia da Cultura, o presidente da Câmara sublinha como «num mundo globalizado é essencial a capacidade de reforçar a diferença e a identidade”, sendo importante “manter as raízes com o passado” mas também “olhar o futuro e ter capacidade de evoluir como sociedade, algo para o qual a cultura é essencial”.

António Ceia da Silva afirma que este é um momento histórico, equiparável à classificação do centro histórico de Évora como Património da Humanidade pela UNESCO, sublinhando o potencial de “uma revolução ao nível cultural, da requalificação urbana, dos eventos e da vivência cultural, decisiva para Évora e para o Alentejo”, para salientar como o turismo pode também contribuir para a candidatura, reforça ainda a importância do Património Imaterial, como o cante alentejano, que representa a identidade da região.

“Esta não é uma candidatura só de Évora. É uma candidatura que está associada a todo o Alentejo e isso tem um peso completamente distinto. Não se está a trabalhar numa cidade em si mesma, mas numa forma em que a elevação dessa cidade a Capital Europeia da Cultura seja importante para toda a região», refere António Ceia da Silva.

Referindo-se à candidatura de Évora como uma “utopia realizável”, a directora Regional da Cultura, sublinha que “a região é fundamental para este projecto”,  e que existe nesta cidade uma “indispensável centralidade crítica nos tempos globais, em que a cultura é cada vez mais uma periferia”.