Festas de Campo Maior querem ser Património Imaterial da Humanidade

Para dar a conhecer ao mundo as Festas do Povo de Campo Maior, está a ser preparada a candidatura desta tradição a Património Cultural Imaterial da Humanidade na Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura (UNESCO).

As Festas do Povo de Campo Maior não têm periodicidade fixa, realizando-se, dizem os campomaiorenses, quando o povo quer. A maior atracção são as ornamentações das ruas, sobretudo do centro histórico, mas a iniciativa conta também com um vasto programa de animação e espectáculos.

A edição deste ano das festas, poderá ser um contributo para a candidatura, esperando os organizadores que, em 2017, a UNESCO reconheça o evento. As flores de papel e as Festas do Povo de Campo Maior constituem um património único.

Mais de um milhão de visitantes é esperado nas Festas do Povo de Campo Maior, que decorrem até dia 30, apresentando, nesta edição, 100 ruas engalanadas com flores, frutos e ramagens de papel.

Estas festas são reconhecidas internacionalmente pela sua originalidade e cariz popular, com os habitantes a prepararem, durante meses, os enfeites que são diferentes em todas as ruas. De tradição secular, foram realizadas pela última vez em 2011, depois de um interregno de sete anos.

Em apenas 15 anos, entre 1989 e 2004, o número de visitantes o duplicou, ultrapassando um milhão de pessoas em 2011. O sucesso de todas as edições, afirmam a associação promotora, deve-se à surpreendente diversidade da decoração das ruas.

M.M.