Governo lança concurso Revive do Paço Real de Caxias

Vai ser lançado segunda-feira, 22 de Abril, o concurso público de concessão do Paço Real de Caxias, em Oeiras, ao abrigo do Programa Revive. A cerimónia está marcada para as 10h00, no Paço Real de Caxias (estrada da Gibralta, Oeiras) e será presidida pelo ministro Adjunto e da Economia, Pedro Siza Vieira.

Presentes na cerimónia estarão também a secretária de Estado do Turismo, Ana Mendes Godinho, o ministro da Defesa Nacional, João Gomes Cravinho, e o presidente da Câmara Municipal de Oeiras, Isaltino Morais.

Situado à beira-mar Paço Real de Caxias tem a sua origem no século XVIII, quando o Infante D. Francisco, filho de D. Pedro II e de D. Maria Sofia de Neuborg iniciou a construção. A conclusão da obra deveu-se ao Infante D. Pedro V que utilizou o Paço como residência ocasional, tal como aconteceu com João VI, após o seu regresso do Brasil. Inicialmente, o Paço incluía a quinta, os jardins geométricos de influência francesa e a cascata da segunda metade do século XVIII, tendo todos entrado em declínio até que em 1985 é celebrado protocolo entre o Estado-Maior do Exército e a  Municipal de Oeiras que procedeu à recuperação, manutenção e reutilização do jardim e cascata.

O Paço é constituído por um edifício principal de pequena/média dimensão, funcionalmente organizado em volta de um corredor central e de salas adjacentes no primeiro andar. No piso térreo localizavam-se as áreas de apoio. Segundo é avançado na página do Revive do Turismo de Portugal, “dos elementos de revestimento interior do primeiro andar já pouco resta no local, uma vez que ocorreu a degradação e furto da maior parte deles (pinturas, revestimentos de parede e azulejos antigos).  Existe também uma edificação secundária de apoio à edificação principal.

A área a afectar a uso turístico é a totalidade do imóvel, e o modelo jurídico é o de concessão.