Grupo IAG compra totalidade do capital da Air Europa

A IAG, grupo que integra as companhias aéreas British Airways, Iberia, Vueling, Aer Lingus e Level, acaba de comprar a totalidade do capital da companhia aérea do Grupo Globalia, Air Europa. A operação foi realizada através da Iberia.

Segundo está a avançar a imprensa espanhola, o processo de aquisição da Air Europa está avaliado em cerca de 1.000 milhões de euros e deverá ficar concluída no segundo semestre de 2020, após a obtenção das necessárias aprovações. Numa primeira fase, a Air Europa manterá a sua marca e será integrada como um centro de receita autónomo na estrutura da Iberia e sob a direcção do seu CEO, Luis Gallego.

Segundo o comunicado difundido pela IAG, a operação vai ser financiada com dívida externa e será paga em dinheiro no momento da conclusão do negócio. O IAG pagará 40 milhões de euros caso não sejam obtidas as autorizações regulatórias relevantes e se uma das partes decidir rescindir o contrato.

“A aquisição da Air Europa significa adicionar uma nova companhia aérea competitiva e lucrativa à IAG, tornando Madrid um importante centro europeu e permitindo que a IAG alcance a liderança do Atlântico Sul, gerando valor financeiro adicional para os nossos accionistas”, afirmou o CEO do grupo, Willie Walsh, acrescentando ainda que o grupo “tem uma sólida trajectória de aquisições de sucesso, a mais recente com a aquisição da Aer Lingus em 2015 e estamos convencidos que a Air Europa representa um grande encaixe estratégico para o grupo”.

Em 2018, a Air Europa facturou 2.100 milhões de euros, obteve um lucro operacional de 100 milhões e transportou 11,8 milhões de passageiros com uma frota no final do ano de 66 aeronaves.

Citado em comunicado, o CEO da Iberia, Luis Gallego, sublinhou a importância estratégica desta operação para o ‘hub’ de Madrid que, nos últimos anos, “ficou para trás em relação com outros centros europeus”.

“Após este acordo, Madrid poderá competir com outros ‘hubs’ europeus em igualdade de condições, com uma melhor posição nas rotas da Europa para a América Latina e a possibilidade de se tornar uma porta de entrada entre a Ásia e a América Latina”, acrescentou.