Grupo Lufthansa prevê 2º semestre difícil

Na apresentação dos resultados do 1º semestre, o Grupo Lufthansa avançou com expectativas para a totalidade do ano e as previsões não são as mais optimistas, com o grupo a prever quebra nos resultados no segundo semestre de 2016.

“A segunda metade do ano dever tornar-se mais difícil”, antecipa o comunicado do Grupo Lufthansa que espera um EBIT ajustado “abaixo dos 1,8 mil milhões de euros registados o ano passado”. O grupo antecipa mesmo “tendências muito fracas em particular para o terceiro trimestre do ano” com os proveitos unitários, excluindo os efeitos cambiais, a poderem cair entre 8 a 9% na segunda metade do ano.

Na área das companhias aéreas as previsões de aumento de capacidade para a totalidade do ano estão a ser revistas em baixa, de 6 para 5,4%. Mais favorável será a poupança nos gastos com o combustível: no segundo semestre os gastos deverão ficar 350 milhões de euros abaixo do primeiro semestre. Para a totalidade do ano, a Lufthansa prevê gastar 4,8 mil milhões de euros em combustível.

Para todos os outros segmentos de negócio, o Grupo Lufthansa espera apresentar na segunda metade do ano, resultados em linha com os obtidos no mesmo período do ano passado.