Grupo Royal Caribbean e MSC Cruzeiros suspendem operações nos EUA

As companhias do Grupo Royal Caribbean (Royal Caribbean Int., Celebrity Cruises e Azamara) suspendem operações da sua frota nos EUA por um período de 30 dias, enquanto a companhia MSC Cruzeiros as suspende por 45 dias.

A MSC Cruzeiros e as companhias do Grupo Royal Caribbean (Royal Caribbean Int., Celebrity Cruises e Azamara) anunciaram a suspensão voluntária das operações de todos os seus navios nos Estados Unidos da América. Em ambos os casos, a decisão prende-se com a situação de pandemia do novo coronavírus que o mundo está a viver.

“À luz das circunstâncias extraordinárias que o mundo enfrenta actualmente relativamente ao vírus COVID-19, a MSC Cruzeiros tomou a difícil decisão de parar temporariamente todos os seus cruzeiros nos EUA por 45 dias, até ao dia 30 de Abril”, explica o comunicado da MSC Cruzeiros.

A MSC Cruzeiros suspendeu também as operações de navios em todas as áreas consideradas de alto risco para o vírus, no Mediterrâneo, no Golfo e na Ásia. Os navios que ainda se encontram a operar na América do Sul e na África do Sul também encerrarão as suas operações quando os seus itinerários actuais terminarem”, confirma a companhia.

Aos hóspedes afectados pela decisão, a MSC Cruzeiros oferece a oportunidade de transferir 100% do dinheiro pago pelas suas férias canceladas, para além de um crédito adicional para um futuro cruzeiro à escolha em qualquer altura deste ano e até ao final de 2021. Se este não for utilizado durante este período de tempo, os clientes receberão um reembolso total da tarifa do cruzeiro.

Já o Grupo Royal Caribbean assinala queentendemos a gravidade da crise de saúde pública que o país [EUA] enfrenta. E esta é a nossa parte a desempenhar. Assim (…) foram canceladas as viagens das frotas da Royal Caribbean Int., Celebrity Cruises e Azamara e esperamos voltar à operação desde os EUA a 11 de Abril 2020”.

O Grupo, que afirma estar a contactar os seus hóspedes para os ajudar a lidar com a decisão tomada pela Royal Caribbean, adianta que os cruzeiros iniciados antes de anunciada a decisão “terminarão os seus itinerários conforme planeado”.