IATA: aviação precisa de medidas de aumento da confiança dos consumidores

A Associação Internacional do Transporte Aéreo urge aos governos que trabalhem juntamente com os players da indústria para que se encontrem medidas que aumentem a confiança dos clientes perante o que se prevê ser uma lenta recuperação da procura na aviação.

“A confiança dos passageiros vai ser abalada duplamente uma vez que pandemia esteja contida – afectada por preocupações económicas pessoais diante de uma recessão iminente, para além das persistentes preocupações com a segurança nas viagens”, explica Alexandre de Juniac, director-geral e CEO da IATA. É por isto que, “os governos e a indústria têm de trabalhar rápida e coordenadamente para encontrar medidas de aumento de confiança”.

Um estudo encomendado pela Associação mostra que 60% dos inquiridos antecipa um regresso às viagens no período entre um a dois meses após a contenção da pandemia, enquanto 40% avança querer esperar seis ou mais meses. Do total, 69% indicou esperar pelo regresso às viagens até que a sua situação financeira esteja estabilizada.

O retomar da procura começa a ser estudado nos mercados domésticos da China e Austrália, onde o número de infecções tem vindo a decrescer significativamente. O tráfego aéreo na China mostra alguns sinais de recuperação, embora se espere que seja consideravelmente mais fraco que numa época pré-pandemia, com taxas de ocupação de voos baixas. Por outro lado, mesmo com o número de novas infecções a aproximar-se do zero, na Austrália o tráfego aéreo continua a deteriorar-se.

Para a IATA, o comportamento dos mercados domésticos é um indicador crítico, sendo que a recuperação pós-pandemia deverá ser liderada pelo turismo interno, seguido pelo regional e apenas então o internacional, à medida que os governos vão progressivamente levantando as suas restrições. “As pessoas continuam a querer viajar, mas explicam-nos que querem clareza sobre a situação económica e provavelmente vão esperar pelo menos uns meses até regressarem às viagens”, explica Juniac.

Esta semana, a IATA está a conduzir reuniões regionais, com governos e parceiros da indústria, para planear o eventual regresso à normalidade do sector da aviação. “O relançar da indústria deve ser construído com confiança e em cooperação”, bem como “deve ser guiado pela melhor ciência que temos disponível”. Assim, “temos de começar a construir uma base para uma abordagem global que dê confiança aos viajantes de que precisam de viajar novamente”, esclarece o responsável.