IATA e ACI coordenam plano de retoma da indústria global da aviação

O Conselho Internacional de Aeroportos e a Associação Internacional do Transporte Aéreo urgem, também, aos governos que garantam que quaisquer medidas introduzidas por aeroportos e companhias aéreas se baseiem em factos científicos e consistentes em todo o mundo, e publicam um documento que mapeia a retoma da aviação internacional.

Para a retoma da indústria da aviação internacional, a ACI e IATA juntaram-se na publicação de um documento que mapeie este recomeço. O Safely Restarting Aviation – ACI and IATA Joint Approach, disponível [aqui], foi elaborado com o apoio de companhias aéreas e aeroportos, e visa um retomar das operações que garanta aos viajantes que a saúde e segurança continuam a ser a prioridade.

É proposta uma abordagem faseada, com medidas a ser implementadas em todas as etapas da viagem, para minimizar o risco de transmissão nos aeroportos e a bordo dos aviões. Medidas que devem ser consistentes a nível mundial e sujeitas a uma revisão e melhoria contínua, bem como a uma remoção uma vez que deixem que ser pertinentes. “A segurança é sempre a nossa mais alta prioridade e isso inclui a saúde pública”, esclarece Alexandre de Juniac, director-geral e CEO da IATA.

“Não há, de momento, nenhuma medida singular que possa mitigar todos os riscos da retoma das viagens aéreas, mas acreditamos que uma abordagem consistente a nível global e baseada em resultados será a forma mais eficaz de mitigação”, avança Angela Gittens, directora-geral da ACI. Alexandre de Juniac atesta também ser “importante lembrar que o risco de transmissão a bordo é muito baixo”, e que “reestabelecer a conectividade aérea é vital para relançar a economia global e reconectar as pessoas”.