IATA sugere medidas alternativas à quarentena obrigatória

A Associação Internacional do Transporte Aéreo continua a promover uma abordagem faseada às medidas de prevenção contra a Covid-19 em alternativa às quarentenas à chegada, para reduzir o risco de países importarem a doença e mitigar a possibilidade de transmissão em casos assintomáticos.

“Impor aos viajantes medidas de quarentena à chegada mantém os países em isolamento e o sector das viagens e turismo em confinamento”, alerta Alexandre de Juniac, director-geral e CEO da IATA. “Felizmente, há protocolos alternativos que podem reduzir o risco de importação da Covid-19, enquanto permite a retoma das viagens e turismo”, acrescenta.

Assim, o que a Associação propõe é “uma abordagem de protecção faseada para evitar que as pessoas infectadas viagem e mitigar o risco de transmissão caso o viajante descubra à chegada que está infectado”. O primeiro passo passa por desencorajar os passageiros sintomáticos e potencialmente expostos à doença de viajar, com a necessidade das companhias aéreas flexibilizarem o ajuste das reservas.

A Associação defende, também, a triagem de saúde através do preenchimento de declarações, através de plataformas online ou aplicações móveis dos Governos. Outros tipos de triagem, como a medição não intrusiva de temperatura poderá também desempenhar um papel importante, contribuindo também para a sentimento de segurança por parte dos passageiros.

A IATA sugere também a testagem da Covid-19 para na circulação de passageiros de países considerados de risco elevado para outros com um número de casos significativamente mais baixo. Os testes devem ser realizados antes da partida, para evitar o contágio a bordo, com os passageiros a dever fazer-se acompanhar por documentos que comprovem o resultado dos testes. Para tal, será necessário que os testes sejam disponibilizados a grande escala, com entrega rápida dos resultados.

Para mitigar o contágio no caso de haver passageiros infectados a bordo, a IATA aconselha a que seja implementado o guia Take-Off da ICAO, um conjunto de directrizes alinhadas com as recomendações da EASA e da FAA. Quando identificado um passageiro com Covid-19 a prioridade deverá ser o rápido estabelecimento de cadeias de transmissão e isolamento dos casos suspeitos.