INE: aumento dos proveitos no alojamento turístico desacelerou em Julho 

Dados divulgados esta segunda-feira pelo INE dão conta de uma desaceleração dos proveitos nos estabelecimentos de alojamento turístico, apesar de estes terem continuado a aumentar em termos homólogos. Por regiões, os resultados foram genericamente positivos, à excepção da Madeira.

Em Julho, os proveitos totais aumentaram 6,2% em termos homólogos (+11,8% em Junho), atingindo 537,8 milhões de euros, enquanto os proveitos de aposento subiram 5,1% (+12,7% em Junho) para 417,6 milhões de euros. Os números, que continuam a reflectir crescimentos face ao mesmo mês do ano passado, denotam, mesmo assim, um abrandamento. No acumulado de Janeiro a Julho, os dois indicadores mantêm-se positivos, com os proveitos totais a crescerem 7,3% para mais de 2,3 mil milhões de euros, enquanto os proveitos de aposento apresentaram uma progressão de 6,9% para mais de 1,7 mil milhões de euros.

Por regiões, os resultados mais destacados registaram-se no Norte, onde os proveitos totais aumentaram 20% em termos homólogos e os de aposento registaram uma subida de 18,7%. Os resultados positivos abrangem a quase totalidade das regiões, à excepção da Madeira, onde os proveitos totais recuaram 4% e os de aposento decresceram 5%. Também no acumulado do ano, a madeira é a única região com sinal negativo: -4,7% nos proveitos totais e -4,2% nos de aposento.

No que toca aos vários segmentos de alojamento (hotelaria, alojamento local e TER), os indicadores de Julho continuaram também a ser positivos. Na hotelaria, os proveitos totais e de aposento (peso de 87,5% e 86,2% no total do alojamento turístico, respectivamente) aumentaram 4,3% e 3,3%, pela mesma ordem. A crescer mais estiveram os proveitos nos estabelecimentos de alojamento local (quotas de 9,6% e 10,7%) onde o mês de Julho trouxe aumentos de 27,4% e 22,7%, respectivamente. Já no turismo no espaço rural e de habitação (representatividade de 2,9% e 3,1%) registaram-se aumentos de 7,8% e 5,8%, respectivamente.

O RevPar situou-se nos 70,9€ (+0,7% que no mesmo mês do ano passado, enquanto em Junho tinha subido 6,9%). O rendimento médio por quarto ocupado (ADR) também desacelerou, tendo correspondido em Julho a 107,6€ (+1,2%).

Contabilizando os meses de Janeiro a Julho, tanto o RevPar como o ADR apresentam agora um aumento homólogo de 1,9%, para 46,5€ no primeiro caso e 85,4€ no segundo.

No conjunto dos estabelecimentos de alojamento turístico, o RevPAR situou-se em 70,9€ (+ 0,7% que em Julho do ano passado). No Algarve, este indicador ascendeu a 102,4€, seguindo-se a AM Lisboa, com 88,3€. O maior aumento de RevPar aconteceu na região Norte, com +9,9%.