INE destaca crescimento do mercado norte-americano

Além do aumento de 32,2% nas dormidas de hóspedes do mercado dos Estados Unidos e de 20,9% do mercado irlandês, é de registar que os britânicos continuam a ter comportamento positivo, com +2,1% de dormidas em Fevereiro. Em queda continuam a estar, de acordo com os dados do INE, os mercados alemão (-11,8%) e brasileiro (-10,2%).

De acordo com os dados publicados esta segunda-feira pelo INE, os 16 principais mercados emissores de turistas para Portugal representaram 85,3% das dormidas de não residentes nos estabelecimentos de alojamento turístico em Fevereiro, mês em que o destaque vai para o crescimento do mercado norte-americano, apesar de outros como o irlandês e chinês terem também apresentado aumentos dignos de registo.

As dormidas geradas pelos turistas originários dos Estados Unidos da América apresentaram, em Fevereiro, um aumento homólogo de +32,2%, seguindo-se, em matéria de aumentos, o irlandês, com +20,9% e chinês, com +14,5%. No conjunto dos dois primeiros meses do ano, o destaque vai para os mesmos mercados (+29,1%, +17,1% e +21,3%, respectivamente).

Principal mercado britânico para Portugal, os britânicos, que representaram em Fevereiro 18,4% do total das dormidas de não residentes tiveram também comportamento positivo, com uma evolução homóloga de 2,1% no segundo mês do ano e de 3,2% se considerado o conjunto dos dois primeiros meses do ano.

Outro importante mercado, o alemão, voltou a registar queda: o número de dormidas gerado por hóspedes alemães, que representou 13,1% do total, registou um decréscimo de 11,8% em Fevereiro e de 7,0% quando contabilizados os dois primeiros meses do ano.

Também com sinal negativo esteve o mercado espanhol (8,8% do total) que registou uma diminuição de 4,5% em Fevereiro. Quando contabilizados os dois primeiros meses do ano, não há alteração face ao mesmo período do ano passado.

Referência também para o mercado brasileiro (6,2% do total) que registou um decréscimo de 10,2% nas dormidas em Fevereiro. Desde o início do ano, este mercado recuou 1,2%.

Relativamente a hóspedes de França (quota de 8,6%), verificou-se uma ligeira redução (-0,6%; -2,8% em termos acumulados).