INE: Proveitos continuaram a subir acima das dormidas em Fevereiro

Em Fevereiro, os proveitos totais do alojamento turísticos registaram um aumento homólogo de 20,6%, com os de aposento a subirem 20,7%, bastante acima do acréscimo de 15,1% registado nas dormidas. Daqui resultou um aumento médio de 14,7% no RevPar – rendimento médio por quarto disponível.

Segundo os dados divulgados esta sexta-feira pelo INE – Instituto Nacional de Estatística, os proveitos totais fixaram-se, no mês de Fevereiro, em 118,6 milhões de euros e os de aposento em 81,2 milhões, o que reflectiu aumentos homólogos de +20,6% e +20,7%, respectivamente. Uma evolução positiva que se traduziu numa aceleração face ao mês anterior, quando os proveitos totais e de aposento tinham registado aumentos de 13,5% e 15,6%, respectivamente.

Comentando estes resultados, o INE diz que “para estes aumentos destacaram-se novos estabelecimentos ou com nova entidade exploradora, os quais tiveram um contributo de cerca de 37,8% para o acréscimo em valor dos proveitos de aposento”.

As subidas nos proveitos abrangeram a totalidade das regiões, embora o maior impacto tenha residido nos Açores, onde os proveitos de aposento aumentaram 60% em termos homólogos. Seguiu-se o Norte com +29,9% e o Algarve com +25,4%. “Em Lisboa houve aceleração (+15,6% de proveitos de aposento face a +5,8% em Janeiro)” ainda que esta subida esteja ainda longe da que ocorreu em Dezembro, quando foram atingidos os 17,5%.

O RevPar teve também evolução positiva, subindo 14,7% em Fevereiro, face ao mesmo mês do ano passado. Os valores mais elevados ocorreram na Madeira (37,6€) e em Lisboa (34,6€), mas foi nos Açores que se registou o aumento mais expressivo,+51,7%, a que se seguiram o Alentejo com +24,3% e o Norte com +23,5%.

Por categoria de estabelecimento, os aumentos mais destacados de RevPar aconteceram nos apartamentos turísticos (+36,5%), nas pousadas (+26,0%) e nos hotéis-apartamentos de cinco estrelas (+23,0%). Mesmo assim, hotéis de cinco estrelas e as pousadas detiveram os valores mais elevados do RevPAR (43,2 € e 33,2 €), destacando-se também os hotéis de quatro estrelas (25,5 €) e os hotéis apartamentos de cinco (25,3 €).