INE: viagens turísticas dos residentes continuam a aumentar

No terceiro trimestre do ano passado, o número de viagens turísticas realizadas pelos residentes em Portugal manteve a tendência de crescimento que se verificara já em trimestres anteriores. O maior número de deslocações, concretamente 87,7% do total, continua a realizar-se “cá dentro” mas as viagens ao estrangeiro foram as que maior aumento homólogo registaram (+36,5%).

Dados divulgados esta quarta-feira, 29 de Janeiro, pelo Instituto Nacional de Estatística, revelam que, no terceiro trimestre do ano passado, os residentes em Portugal efectuaram 8,7 milhões de viagens, o que correspondeu a um crescimento de 11,0%. As viagens em território nacional concentraram 87,7% das deslocações (7,6 milhões), revelando um aumento de 8,2% face ao mesmo período do ano anterior, enquanto as viagens com destino ao estrangeiro, que representam 12,3% do total, cresceram 36,5%, totalizando 1,1 milhões.

Tanto no que se refere às viagens no território nacional como às viagens ao estrangeiro, a principal motivação foi “lazer, recreio ou férias”, que aumentou até a sua representatividade em 5,1pp face ao terceiro trimestre de 2018. No total, este foi o motivo para a realização de 5,7 milhões de viagens (66,2% do total), num aumento homólogo de 20,4%. Já a “visita a familiares ou amigos” motivou a realização de 2,3 milhões de viagens (26,6% do total, -5,1 p.p.), enquanto as viagens por motivos “profissionais ou de negócios” (348,3 mil, -3,3%) diminuíram o seu peso relativo em 0,6 p.p. (representando 4,0% do total).

De acordo com os dados do INE, no que se refere à tipologia de alojamento escolhido pelos portugueses, a categoria “hotéis e similares” reforçou a sua representatividade em 7,0 p.p. (27,4% do total de dormidas), muito embora o “alojamento particular gratuito” tenha continuado a ser a principal opção de alojamento (56,6% das dormidas), apesar da redução do seu peso no total (-3,9 p.p.).

Os dados do INE também mostram que o uso da internet para organizar viagens, seja “cá dentro” seja internacionais, está a crescer. No 3º trimestre do ano passado, a internet foi utilizada no processo de organização de 23,9% das deslocações (+4,0 p.p.), tendo este recurso sido opção em 56,2% (+0,7 p.p.) das viagens para o estrangeiro e 19,4% (+3,5 p.p.) das viagens domésticas.

Não obstante, 40,6% do total das viagens foram efectuadas recorrendo à marcação prévia de serviços (+4,6 p.p.), proporção que atingiu 87,1% (-1,8 p.p.) no caso de deslocações com destino ao estrangeiro. Nas viagens em território nacional, a reserva antecipada de serviços esteve associada a 34,1% das viagens (+4,0 p.p.).