Inquérito da AHRESP revela perspectivas “dramáticas” para o Verão

Um inquérito realizado pela Associação da Hotelaria, Restauração e Similares de Portugal revela que o alojamento turístico perspectiva meses dramáticos de Verão, com a restauração a abrir com receitas abaixo dos 10%.

Realizado às empresas entre 31 de Maio e 3 de Junho, o inquérito obteve 1.510 respostas válidas. Os resultados revelam que 49% das empresas do alojamento turístico continuavam encerradas no final de Maio. Na época alta, 30% dos inquiridos perspectiva uma taxa de ocupação máxima de 25%, com 18% das empresas a ponderar avançar para a insolvência.

Do total, 32% das empresas não conseguiram cumprir com os compromissos salariais em Maio e 10% só efectuou uma parte. Apesar de mais de 90% não ter efectuado despedimentos nos últimos três meses, 63% das empresas não sabem se vão conseguir manter todos os seus trabalhadores até ao final do ano. Cerca de 35% das empresas com processos de apoios financeiros aprovados ainda não tinham o dinheiro disponível no final de Maio.

No sector da restauração e bebidas, 36% das empresas não reabriram a 18 de Maio. Dos que reabriram, cerca de metade registou uma facturação média abaixo dos 10% das receitas habituais. Para os meses de Verão, prevê-se que 54% não vão conseguir suportar os encargos habituais já em Junho, e que 36% pondera avançar para insolvência.

Em Maio, 16% das empresas não conseguiu efectuar o pagamento de salários e 15% só o fez parcialmente. Mais de 90% não efectuaram despedimentos, mas 73,5% não sabe se conseguirá manter todos os postos de trabalho até ao final de 2020. Nos pedidos de financiamentos, cerca de 33% dos inquiridos com processos aprovados ainda não tinha o dinheiro disponível no fim do mês de Maio.