João Cotrim de Figueiredo: “Sucesso do turismo português não é reconhecido no país”

João Cotrim de Figueiredo, presidente do Turismo de Portugal lamenta que o sucesso do turismo português não seja reconhecido no nosso país, no que à vertente emocional diz respeito”.

O dirigente que falava no 41º congresso da APAVT, no Algarve na sessão destinada ao tema “Portugal: Razões de um sucesso”, indicou que “enerva-me que sejam utilizados estes argumentos para desvalorizar o trabalho que vocês fazem todos os dias. Só há ou mérito dos outros ou falta de jeito nossa”.

A recente performance de Portugal enquanto destino turístico; os mitos e as realidades foram os temas centrais em que se debruçou João Cotrim de Figueiredo, tendo demonstrado com números disponíveis, que o país está a crescer turisticamente, não porque está na moda ou é um destino de preços baixos, mas sim “Portugal está num ciclo de crescimento longo”.

Demonstra-os as receitas turísticas, que cresceram 64,3% no período entre 2009 e 2015, o número de hóspedes que aumenta 35,4%, o número de hóspedes estrangeiros que cresce 35,4%, o número de dormidas que aumenta 56% e dos proveitos que sobe 33,7%.

O presidente do Turismo de Portugal destacou igualmente que os ganhos de competitividade têm sido evidentes e que Portugal está a crescer mais do que os seus concorrentes, o mesmo acontecendo com a quota “a melhor medição da saúde do sector”, por isso “somos um destino competitivo”.

No que respeita aos mitos, Cotrim de Figueiredo explicou que a evolução do sector não tem a ver com a deslocalização de turistas para Portugal na sequência da Primavera Árabe e quanto ao baixo preço, referiu que o nosso país está próximo da média dos destinos do Mediterrâneo mas “não estou a dizer que somos um destino caro. Acho é que já não somos escolhidos por ser um destino barato”.

Respondendo a algumas vozes que dizem que há turistas a mais em Portugal, o dirigente voltou a comprovar que “o país está longe da saturação”, até porque a intensidade turística em Portugal é de 0,85%