KLM anuncia programa de Verão com rede reduzida

Entre 29 de Março e 3 de Maio, a KLM planeia voar para 25 destinos intercontinentais e 32 europeus, num programa ajustado que equivale a cerca de 10% do número habitual de voos. Neste período mantém-se o voo diário entre Lisboa e Amesterdão.

A rede intercontinental vai ser operada em Boeing 777 e 787, com o Boeing 747 a ser retirado da frota mais cedo. Os restantes aviões permanecerão estacionados em Amesterdão-Schiphol.   Entre o final de Março e início de Maio, a companhia aérea prevê realizar um total de 69 voos intercontinentais ida e volta, alguns deles apenas com carga.

Conta servir os destinos Atlanta (3 frequências semanais), Abu Dhabi/Muscat (2), Banguecoque (2), Curaçau (2), Deli (2), Dubai (2), São Paulo (2), Hong Kong (3), Seul (3), Nova Iorque JFK (7), Joanesburgo (3), Osaka Kansai (2), Los Angeles (3), Lima (3), Cidade do México (3), Nairobi (2), Tóqui Narita (2), Chicago O’Hare (2), Pequim (3), Cidade do Panamá (2), Shanghai (3), Singapura (3), Taipé (3), Calgary (3) e Toronto (3).

Na rede europeia, que foi pensada de forma a que o maior número possível de voos seja ligado à rede internacional, a transportadora prevê ligações directas diárias a Genebra, Viena, Zurique, Bruxelas, Paris, Lyon, Dusseldorf, Frankfurt, Hamburgo, Munique, Estugarda, Berlim, Estocolmo, Billund, Copenhaga, Gotemburgo, Oslo, Lisboa, Aberdeen, Brimingham, Bristol, Dublin, Edimburgo, Glasgow, Leeds Bradford, Londres City, Londres Heathrow, Manchester e Newcastle.

Entre 29 de Março e 3 de Maio a KLM conta também servir diariamente as cidade de Roma (a partir de 4 de Abril), Barcelona e Madrid. No entanto estas são rotas sujeitas a restrições muito rígidas actualmente, o que será tido em consideração posteriormente, na eventualidade destes voos poderem efectivamente ser operados.

A KLM avança ainda que “adoptou várias mudanças drásticas na forma como se trabalha a bordo”, assegurando operações de voo seguras. Assim, o serviço a bordo foi adaptado para reduzir o contacto físico, minimizando os momentos de contacto entre a tripulação e os passageiros.