Luís Araújo nomeia nova equipa para o Turismo de Portugal

Da anterior equipa que era liderada por João Cotrim de Figueiredo apenas se mantém Teresa Monteiro que desempenhava o cargo de vice-presidente. Luís Matoso, tal como o Turisver.com tinha antecipado, e Jorge Abrantes, vogais do TP são substituídos por Filipe Silva e Carlos Abade até ao concurso do CReSAP.

O nome de Filipe Silva para vogal do Turismo de Portugal começou a ser falado nos “corredores” logo após se ter sabido da demissão de Luís Matoso, efectiva a partir de hoje mas conhecida no organismo desde terça-feira.

Tal como Carlos Abade, Filipe Silva não é um nome estranho ao turismo, tratando-se aliás de uma nomeação interna. Quadro do Turismo de Portugal, Filipe Silva era actualmente delegado do Turismo de Portugal na Holanda. Já Carlos Abade ocupava actualmente o cargo de Director Coordenador da Direcção de Apoio ao Investimento no Turismo de Portugal, administrador não executivo da Turismo Fundos, da SPGM – Sociedade de Investimento, S.A. e da Enatur, além de vice-presidente do Conselho Geral do Fundo Imobiliário Especial de Apoio às Empresas (FIEAE).

Na vice-presidência do Turismo de Portugal, mantém-se Teresa Monteiro que entrou no instituto em 2007 como secretária-geral.

A “célere” nomeação de “novos titulares para o conselho directivo” do TP teve como objectivo, de acordo com um comunicado da Secretaria de Estado do Turismo, “assegurar o normal funcionamento do Instituto e dotar o organismo de uma direcção que implemente as orientações estratégicas do Governo para o turismo”.

No mesmo comunicado é avançado que “a designação é feita em regime de substituição, até que o concurso público, no âmbito da Comissão de Recrutamento e Selecção para a Administração Pública (CReSAP), seleccione os titulares definitivos”.

Ana Mendes Godinho, secretária de Estado do Turismo considera que estas alterações são “uma oportunidade para adoptar uma nova abordagem no desempenho das competências e atribuições do Instituto do Turismo de Portugal, tendo em conta que o turismo é um sector fundamental da economia portuguesa, pela sua capacidade de criação de emprego e contributo para as exportações, reconhecido, no programa do XXI Governo Constitucional, como um importante motor de dinamismo económico e social”.