Macau aposta no turismo religioso

Atrair fiéis católicos de todo o mundo e criar pacotes turísticos para quem queira visitar igrejas e monumentos e ainda assistir às festividades religiosas do território, é uma aposta do turismo de Macau, que pretende ainda candidatar a Procissão dos Passos a património intangível.

Esta proposta do governo do território foi revelada pelo secretário dos Assuntos Sociais e da Cultura durante uma recente visita de uma extensa delegação à Coreia do Sul, a qual integrou também a directora do Turismo de Macau, Helena Senna Fernandes.

Macau pretende diversificar os produtos turísticos e, nesse sentido, também apostar no turismo religioso.

Oo governante lembrou que a marca, a característica da identidade de Macau é, justamente, a convivência e a mistura de culturas e também de religiões. O secretário recordou depois o processo de classificação de Macau à Unesco e a importância da profusão de monumentos e igrejas católicas para esse reconhecimento das Nações Unidas da relevância cultural de Macau.

A ideia de apostar no turismo religioso vem ganhando adeptos desde há alguns anos. Em especial, desde que Macau começou a afirmar-se como cidade internacional e a atrair além dos turistas convencionais que visitam casinos e monumentos também fiéis católicos para assistir a cerimónias e rituais de maior dimensão como a Procissão do Senhor dos Passos ou a Procissão do 13 de Maio que atravessa a cidade do centro, no Leal Senado, até à Igreja do Alto da Penha.