Madeira volta a ser “Destino Preferido” da APAVT em 2020

A Madeira, que já foi “Destino Preferido da APAVT” em 2016, volta a sê-lo este ano. O protocolo de colaboração foi assinado esta terça-feira em Lisboa, pelo presidente da Associação, Pedro Costa Ferreira, e pelo secretário Regional de Turismo e Cultura da Madeira, Eduardo Jesus, após uma reunião com operadores turísticos que trabalham o destino Madeira e integram o Capítulo de Operadores da APAVT.

Projecto anual que visa dinamizar os fluxos turísticos para um destino, o “Destino Preferido da APAVT” volta em 2020 a ser a Madeira, que tinha ostentado já este título em 2016. O trabalho já começou, teve o “pontapé de saída” esta terça-feira, com uma reunião com operadores que trabalham a Madeira que “correu muito bem”, segundo avançou o presidente da APAVT.

Pedro Costa Ferreira sublinhou que a escolha da Madeira como “Destino Preferido” é um projecto que “surge num momento delicado para o destino” momento esse que, recordou, foi definido no último congresso da APAVT como quase uma “tempestade perfeita”” devido ao impacto na região da falência de várias companhias aéreas e do operador Thomas Cook, além da “percepção da inoperacionalidade do Aeroporto”, uma questão que se vem arrastando no tempo. A estes factores soma-se, disse ainda, um importante aumento da oferta, que o presidente da APAVT considera “um factor adicional de risco”.

Por tudo isto, assegurou, o projecto da Madeira como “Destino Preferido” da APAVT “aparece num momento ideal” em que se pretende actuar em termos do crescimento do fluxo turístico continental para a região, diminuir a sazonalidade e reforçar a visibilidade do destino.

O secretário Regional de Turismo e Cultura da Madeira, sublinhou a “relação antiga, duradoura e saudável” que tem unido, ao longo dos anos a região à APAVT, e o trabalho conjunto que tem sido realizado, exemplificando com a iniciativa Madeira Specialist. Fruto desse trabalho e de ter sido “Destino Preferido da APAVT” em 2016 e da preferência que a Associação tem dado à região como palco dos seus congressos “não deixámos de crescer no mercado nacional”, afirmou Eduardo Jesus.

Referindo-se aos constrangimentos citados pelo presidente da APAVT, Eduardo Jesus disse tratar-se de “dádivas que constituem grandes oportunidades” pois “se não estivéssemos debaixo de pressões como estas não inovaríamos”. Quanto à parceria com a Associação, o secretário Regional afirmou encará-la “com uma postura de inovação e desenvolvimento” nela encontrando “mais um momento de provarmos que somos capazes de promover a superação”, encontrando novos caminhos e soluções que permitam afirmar o destino.