Madeira quer activar marca junto dos portugueses com campanha criativa

A Madeira pretende reforçar a presença dos portugueses do continente na região com novas campanhas de promoção criativas, nomeadamente em Lisboa, a partir de Setembro. O objectivo é recuperar aquele que é um dos seus principais mercados emissores de turistas.

A propósito da acção que terá lugar no próximo mês de Setembro, em Lisboa, o secretário Regional da Economia, Turismo e Cultura da Madeira, Eduardo Jesus afirmou que “servirá para dar uma maior e mais eficaz visibilidade aos ex-libris da nossa oferta turística, concretamente e, neste caso, aos carros de cesto, à nossa gastronomia e tradição”. Os famosos carros de cestos constituem uma das atracções mais conhecidas da Madeira. São produzidos artesanalmente com vimes e madeira e dispõem de dois lugares sentados. São conduzidos por dois carreiros, trajados de branco e com chapéu de palha na cabeça que, com paciência, utilizam as próprias botas de borracha grossa como travões.

Neste âmbito, esses típicos carros de cestos descerão uma das mais emblemáticas ruas da baixa lisboeta, no Chiado, numa acção que será complementada com entrega de material promocional, bem como com a degustação de alguns dos produtos da diversificada gastronomia madeirense, tendo por objectivo não só atingir o mercado nacional, como todos os turistas que estejam de visita à cidade.

A Madeira dispõe de um total de 8 milhões de euros para promoção do destino, sendo que o investimento destinado para acções junto do mercado nacional é de cerca de 18%. O esforço previsto visa potenciar e diversificar novos motivos de visita, ao explorar novos nichos de mercado, que cativem os turistas nacionais e façam com que a Madeira seja, para estes, a primeira escolha.

Activar a marca Madeira na mente dos portugueses é a prioridade desta nova intervenção lançada pela Secretaria Regional da Economia, Turismo e Cultura, através da Associação de Promoção da Madeira, a ser concretizada, maioritariamente, através de campanhas dirigidas ao consumidor final e com recurso às plataformas digitais. Por outro lado, serão mantidas as acções dirigidas aos agentes de viagens do continente, no quadro da colaboração com a APAVT.

Em 2014, cerca de 11% dos hóspedes contabilizados nos estabelecimentos hoteleiros da Região foram portugueses.

M.M.