Mais de 75% dos europeus conta viajar em 2020

Este é o destaque da mais recente sondagem sobre o impacto da Covid-19 na procura por viagens realizada pela LuggageHero, em Abril, que mostra uma vontade continua de viajar, mas um maior grau de preocupação.

A sondagem de Abril da LuggageHero foi realizada entre os dias 5 e 9 deste mês, obtendo respostas de 2.200 participantes a nível mundial, através da ferramenta Google Forms. Conclui que 60% dos inquiridos tinha uma viagem planeada para Abril e Maio, com 91% destes a já ter cancelado essa reserva, ou a fazê-lo em breve. Ainda assim, 77% planeia adiar estas viagens para um período entre Junho e Dezembro deste ano.

Os participantes afirmam que viajarão neste período desde que os países de residência e destino não se encontrem em situação de isolamento, sendo que 54% já tem viagens calendarizadas e mais de dois terços planeia viajar com pelos menos mais uma pessoa. Ainda dentro deste grupo, 44% vai manter o seu destino original, enquanto 35% responde que agora tentará evitar grandes cidades e transportes públicos, concentrando-se nas actividades ao ar livre.

Perto de metade dos participantes planeia viajar para o estrangeiro, enquanto 47% afirma considerar substituir as suas férias internacionais por viagens domésticas em 2020. Apenas 6% dos europeus respondeu que não viajaria de todo em 2020, em comparação com 17% de total de respostas negativas na anterior sondagem, realizada há três semanas. Por outro lado, 64% dos inquiridos avança que o seu orçamento de 2020 relativo a viagens será mais reduzido do que o anteriormente esperado (54% na sondagem anterior).

“Acreditamos que a procura voltará mais forte do que nunca, assim que seja seguro viajar”, atesta Jannik Lawaetz, CEO da LuggageHero, que acrescenta que “a indústria está agora ocupada a analisar a forma como nos podemos adaptar ao que acreditamos ser uma nova forma de viajar”. O responsável acredita que esta nova realidade significará “práticas de higiene adicionais, pagamentos contactless, maior interacção online e quaisquer outras abordagens que possam transformar esta crise numa oportunidade de viajar mais segura e agradável”.