MSC Cruzeiros participou em seminário na BITUR em Angola

Uma comitiva da MSC Cruzeiros deslocou-se recentemente a Luanda, à feira BITUR – Okavango 2016 onde participou seminário sobre turismo de cruzeiros, tendo também visitado principais portos do país.

Durante esta deslocação representantes da MSC Cruzeiros, da APL – Administração do Porto de Lisboa, e da GlobalSea, participaram no painel  “Os Desafios da Indústria de Cruzeiros em Angola”, onde foram abordados temas como “O sector dos cruzeiros no Mundo, na Europa e em África – visão estratégica da MSC Cruzeiros para o desenvolvimento angolano”; “Os desafios da Indústria de Cruzeiros no Mundo, na Europa e em África”; “Os desafios de um porto no sector dos cruzeiros” e ainda “Os desafios de Angola e da empresa Alegrangola no desenvolvimento sustentado do sector dos cruzeiros”.

A MSC Cruzeiros ministrou ainda uma formação aos agentes de viagens com o objectivo de formar e informar os agentes angolanos sobre os procedimentos para a venda de um cruzeiro e as vantagens deste tipo de férias.

Após o final da BITUR, a comitiva reuniu com o ministro da Hotelaria e Turismo angolano, Paulino Baptista, com o secretário de Estado, Alfredo Varo Kaputo, bem como com várias individualidades do governo, sobre o desenvolvimento da MSC Cruzeiros em Angola e o futuro de África no sector dos cruzeiros.

Eduardo Cabrita, Director Geral da MSC Cruzeiros Portugal afirma: “Com esta visita, verificámos as condições de cada porto para a possibilidade de receber os navios da MSC Cruzeiros, bem como as potencialidades de cada região/destino de forma a desenvolvermos a nossa presença no mercado angolano através de uma operação de afretamento concretizada pela empresa Alegrangola, nosso parceiro neste projecto desde o início. Acreditamos no desenvolvimento e no crescimento do sector dos cruzeiros em Angola e que existem também grandes potencialidades turísticas, com locais muito interessantes para visitar, pelo que estamos atentos aos principais desafios do destino, nomeadamente logísticos, de segurança, processos para permissão de entrada no país, bem como de troca de divisas.”

“O Governo Angolano está muito empenhado no desenvolvimento turístico do país, e acarinha o nosso projecto desde o começo, uma vez que fornece os quatro pilares essenciais definidos por Angola: a captação de receitas, o desenvolvimento do turismo interno e externo, a formação profissional e, finalmente, a promoção turística do país. Estamos a trabalhar em conjunto para que, rapidamente, seja uma realidade”, conclui Eduardo Cabrita.