MSC Cruzeiros realizou simulacro de ataque pirata

A MSC Cruzeiros realizou recentemente um simulacro que recriou um ataque pirata ao navio MSC Lirica, exercício que decorreu ao largo da costa de Omã e que envolveu 2.500 pessoas, com o objectivo de “avaliar os procedimentos de reacção e segurança”. “Este foi um exercício de emergência sem aviso prévio, a fim de testar avaliações de ameaças, reacções e procedimentos de emergência tanto no mar como em terra. Os procedimentos de segurança foram seguidos rigorosamente e nenhuma vida foi posta em risco durante o exercício”, refere a MSC Cruzeiros em comunicado. O exercício envolveu membros da tripulação, colaboradores em terra e passageiros a bordo do navio, tendo decorrido sob a forma de um ataque pirata, consistindo na “aproximação de indivíduos a bordo dum barco à vela ao MSC Lirica, disparando sobre o navio, na tentativa de conseguir embarcar”, explica a companhia. O comandante do navio actuou, segundo a MSC Cruzeiros, “se acordo com o uso normal, e seguindo o cenário pré-estabelecido”, fazendo de imediato soar o alarme e assumindo manobras evasivas com o objectivo de evitar que os piratas entrassem a bordo, tendo também conseguido entrar de imediato em contacto com o pessoal competente na MSC, bem como com o Piracy Reporting Centre do International Maritime Bureau. O simulacro decorreu dentro da normalidade, situação que deixou satisfeita a MSC Cruzeiros, que vai, no entanto, certificar-se de que alguns pontos serão melhorados e implementados nos procedimentos de segurança a bordo. “A comunicação entre os diferentes serviços envolvidos provou ser muito eficiente e os procedimentos padrão com todas as autoridades competentes e organismos oficiais foram simulados dentro dos tempos regulados. Estamos satisfeitos com o resultado do exercício, mas não iremos descansar sobre os louros. A segurança é um processo de melhoria constante”, considera Emílio La Scala, director-geral do Departamento Técnico da MSC. I.M.