Novos estatutos: Turismo de Portugal vai estar mais virado para os clientes

Os novos estatutos do Turismo de Portugal, cuja portaria acaba de ser publicado, vai permitir à instituição “estar mais virado para fora, estar mais junto dos clientes”, revelou o seu presidente, João Cotrim de Figueiredo.

“Conseguimos finalmente publicar a portaria que aprova os novos estatutos do Turismo de Portugal, onde não há grandes revoluções, mas há de facto esta orientação muito mais para foram a noção do cliente”, referiu o responsável.

Para João Cotrim de Figueiredo, a criação de duas novas direcções são fundamentais para concretizar esse processo. Por um lado, trata-se de uma direcção “que tem a ver com a gestão do conhecimento, onde vai estar tudo aquilo que nós, os nossos clientes e os mercados precisam de saber para funcionar melhor, ou seja, a capacidade de dar respostas rápidas e credíveis para a interpretação do dia-a-dia ou do trimestre”, especificou o presidente do Turismo de Portugal.

A este propósito, o responsável sublinhou ainda que tem que haver “uma ligação muito forte entre as nossas escolas e as universidades e entre estas e as empresas. Tudo isto está a ser trabalhado para que os sistemas de pesquisas sejam úteis para as empresas”.

A outra direcção considerada também importante tem a ver com o empreendedorismo. “Necessitamos de introduzir inovação no sistema. Acredito que ela virá das empresas já existentes, especialmente se houver outras novas a puxar também”, disse Cotrim de Figueiredo, à margem da participação de Portugal na WTM em Londres, acrescentando que “todo o sistema tem que se tornar mais ágil e mais vivo e estou em crer que vai ser uma evolução boa para o turismo”

Os Estatutos do Turismo de Portugal foram aprovados pela Portaria nº384/2015, de 26 de Outubro, definindo a organização interna do organismo.

Áreas de actuação do Turismo de Portugal são o Planeamento, com as direcções de Estratégia e de Gestão do Conhecimento, o Negócio com as direcções de Valorização da Oferta, de Apoio ao Investimento, de Apoio à Venda, de Formação e Serviço de Regulação e Inspecção de Jogos, e ainda o Suporte que terá as direcções de Recursos Humanos, de Gestão Financeira e de Tecnologias e, finalmente, Jurídica. 

Segundo esta portaria, assinada pela ministra das Finanças, Maria Luís Albuquerque e pelo secretário de Estado do Turismo, Adolfo Mesquita Nunes, prevê que o Turismo de Portugal passa a ter poderes para a “abertura e a instrução de processos administrativos e de contra ordenação, incluindo os relativos à publicidade a jogos e apostas online português”, enquanto, anteriormente, poderia apenas levantar autos de notícia que serviriam o propósito de “aplicar medidas preventivas e cautelares de inibição de acesso às salas de jogo”.