Ombria Resort inicia construção das Viceroy Residences

O Ombria Resort arrancou com a construção das primeiras branded residences da Viceroy na Europa. Os 65 apartamentos de tipologias T1 e T2, com gestão assegurada pela cadeia norte-americana Viceroy Hotel Group, estão integrados no hotel Viceroy at Ombria Resort.

O trabalho de execução das Viceroy Residences at Ombria Resort está a cargo da Grabriel Couto S.A., com conclusão prevista para o início de 2022. Os apartamentos estão incluídos no hotel que conta ainda com 76 quartos e suites de luxo, seis restaurantes, piscinas, Spa, ginásio, kids club e observatório astronómico.

Para além do hotel e dos apartamentos, o Ombria Resort verá crescer um centro de conferências e a clubhouse do campo de golfe, num investimento de 100 milhões de euros. A fase que inclui 95 outras unidades, as infra-estruturas do resort e um campo de golfe de 18 buracos já se encontra concluída, com o investimento total do grupo finlandês Pontos para este projecto a ascender aos 260 milhões de euros.

“Estamos cada vez mais perto da abertura da primeira fase do Ombria Resort ao público”, atesta Julio Delgado, CEO do Ombria Resort, que acrescenta que “ao trabalharmos com uma marca de tanto prestígio [a Viceroy Hotel Group], garantimos que tanto os hóspedes do hotel como os proprietários que investem na compra das Viceroy Residences poderão beneficiar dos serviços de grande qualidade de um operador de renome”.

A arquitectura do conjunto que compreende as Residences e o hotel tem a assinatura do ateliê de arquitectura Promontório e da empresa internacional WATG, numa mistura entre a atmosfera do campo e atenção ao design e detalhes. O design de interiores é da Wimberly Interiors. “Estamos ansiosos pela abertura do Viceroy Hotel & Residences at Ombria Resort em 2022, que marcará a entrada da nossa marca em Portugal”, comenta Bill Walshe, CEO do Viceroy Hotel Group.

Localizado 7Km a norte de Loulé, o Ombria Resort tem como objectivo ser pioneiro de uma nova geração de resorts de baixa densidade de construção, em que a sustentabilidade, o meio ambiente e o apoio à natureza e património local são prioridades. Prevê-se que o resort conceda ao Estado Português um encaixa fiscal de 153 milhões de euros até 2030.