OMT: Chegadas de turistas internacionais sobe 4% no 1º semestre

As chegadas de turistas internacionais em todo o mundo cresceu 4% entre Janeiro e Junho 2016 em relação ao mesmo período do ano passado. Os destinos em todo o mundo receberam 561 milhões de turistas internacionais, 21 milhões a mais que em 2015, de acordo com o mais recente Barómetro da OMT.

A região Ásia/Pacífico demonstrou força renovada neste primeiro semestre de 2016, recebendo 9% mais chegadas internacionais, o maior crescimento em todas as regiões do mundo. Nas Américas, as chegadas internacionais aumentaram 4%, liderada pela América Central e América do Sul.

A Europa (+ 3%) apresentou resultados mistos, com um crescimento sólido em muitos destinos compensados por desempenhos mais fraco noutros. Na África (+ 5%), os destinos subsarianos recuperam fortemente, enquanto a África do Norte continua a apresentar resultados fracos. Finalmente, o Oriente Médio assiste-se a uma redução estimada de 9% nas chegadas internacionais este período de seis meses, embora os resultados variam de um destino para outro.

A primeira metade do ano normalmente representa cerca de 46% do total de chegadas internacionais. Neste sentido, a OMT refere que para o restante ano de 2016 as perspectivas são globalmente positivas, até porque os países que já apresentaram resultados até Julho ou Agosto mostram um crescimento contínuo.

O painel de peritos da OMT avaliou o período de Maio a Agosto, também favorável e permanece confiante em relação ao período de Setembro a Dezembro, em linha com a tendência do primeiro semestre do ano. A confiança é maior na África, nas Américas e na Ásia e no Pacífico, enquanto os especialistas na Europa e no Oriente Médio são um pouco mais cautelosos.

Os Estados Unidos, segundo maior mercado do mundo, aumentou nas despesas com viagens ao exterior em 8% até Julho, graças a uma moeda forte, enquanto o terceiro maior mercado, a Alemanha, relatou um aumento de 4% nas despesas até Julho. Outros mercados que mostraram forte procura por viagens ao exterior no primeiro semestre de 2016 foram a Espanha (+ 20%), Noruega (+ 11%), Austrália (+ 10%) e o Japão (+ 6%). Enquanto isso as despesas da Federação da Rússia e do Brasil continuam a cair.