Painel do Barómetro do Turismo esperançado em que a retoma aconteça até ao Verão de 2021

É neste sentido que vão as conclusões da 62ª edição do Barómetro do Turismo do IPDT. Os resultados do inquérito foram divulgados sexta-feira e dão conta que cerca de 80% dos respondentes acredita que a retoma deverá acontecer até ao final de 2021, com aproximadamente metade a ser mais optimista e a perspectivar que possa acontecer até ao Verão do próximo ano.

Em baixa neste ano da pandemia está, como era esperado, o nível de confiança médio no desempenho do turismo que atingiu, neste mês de Julho a que reporta o inquérito do IPDT, os 47,3 pontos. Trata-se de um decréscimo acentuado face ao último registo, datado de Fevereiro deste ano, quando o nível de confiança atingia os 79,5 pontos.

Segundo membros do painel, o ambiente de incerteza e de mudança constante, a exposição do sector à evolução da pandemia e os avanços e recuos na mobilidade, são factores que vão impactar o desempenho do turismo durante este Verão.

No que toca a perspectivas sobre o futuro, os “olhos” estão postos em 2021, já que o ano de 2020 é dado como perdido por quase todos. Assim, e no que toca às expectativas para a retoma do turismo internacional, painel acredita que o arranque das viagens internacionais poderá iniciar-se durante o primeiro semestre de 2021. A possibilidade da descoberta da vacina, o progressivo conhecimento do vírus e a maior familiarização com as formas de protecção são factores que vão influenciar a retoma

Para 80% dos respondentes, a retoma do turismo internacional deverá acontecer até ao final do próximo ano, no entanto, metade destes acredita que o retorno irá ocorrer até ao Verão de 2021, com uma retoma acentuada a partir de Abril.

Quanto à procura turística interna, o painel é unânime em considerar que irá manter-se muito próxima dos níveis registados em 2019, acreditando que os portugueses vão continuar a viajar “cá dentro”, apesar da pandemia.

Alguns membros do painel foram mesmo optimista relativamente à retoma de mercados como o espanhol, o francês e o holandês. No que toca ao mercado espanhol, 1 em cada 5 dos respondentes acredita ser possível alcançar, no segundo semestre deste ano, resultados iguais ou superiores aos registados no período homólogo do ano passado.

Para o painel de inquiridos, os destinos de natureza (34%) e de praia (31,4%) vão liderar as escolhas dos destinos para as férias este Verão, considerando que o segmento de saúde e bem-estar (10,1%) também estará no topo dos factores que vão ter maior influência na escolha do destino.

A justificar esta opinião está a convicção do painel em que o crescimento da procura por destinos de natureza e menos massificados será uma das principais tendências de viagem neste Verão do ano da pandemia, em que a segurança sanitária vai também ter um peso considerável no momento de decidir qual vai ser o destino das férias/viagens.