Pavilhão Carlos Lopes: Cedência à ATL foi a “solução mais expedita” para a sua recuperação

A afirmação é do presidente da Câmara Municipal de Lisboa, Fernando Medina que no almoço mensal da Associação da Hotelaria de Portugal realizado esta quinta-feira, sublinhou a bondade de uma decisão que foi tomada não só pela Câmara mas também pela Assembleia Municipal.

A decisão de entregar à Associação Turismo de Lisboa, por um período de 50 anos e cerca de 3,5 milhões de euros, o direito de superfície sobre o Pavilhão Carlos Lopes “não foi uma decisão só da Câmara, foi uma decisão da Câmara e da Assembleia Municipal”, tendo na base o facto de “dentro das possibilidades que temos, ser a solução mais expedita para a recuperação do Pavilhão Carlos Lopes” e a “mais eficaz” para “devolver” este equipamento à cidade. Foi desta forma que o presidente da Câmara de Lisboa respondeu à questão colocada pelo Turisver.com durante o almoço mensal da Associação da Hotelaria de Portugal realizado esta quinta-feira.

Em causa está a apresentação de uma queixa à Procuradoria-Geral da República por parte da bancada municipal do PSD que contesta o procedimento.

Fernando Medina lembrou que a Câmara chegou a “defender, durante algum tempo, a possibilidade de o Pavilhão dar lugar a um Centro de Congressos”. A hipótese não foi para a frente por não ter obtido consensos mas Fernando Medina considera que “era responsabilidade da Câmara proceder à recuperação do Pavilhão Carlos Lopes, devolver aquele equipamento à cidade”. A propósito afirmou: “é isso que estamos a fazer exactamente nos moldes em que foram recuperados, de forma muito bem sucedida, vários equipamentos desta cidade”. Dando como exemplos o Pátio da Galé, as esplanadas do Terreiro do Paço e a frente ribeirinha, sublinhou haver que concordar que “o modelo adoptado foi um bom modelo para o desenvolvimento da cidade”.

Fernando Medina mostrou-se confiante com o rumo do processo: “Temos a convicção de que o poder político, na altura, irá decidir da bondade da solução de queremos, com rapidez, devolver o Pavilhão Carlos Lopes à utilização da cidade”.