Peniche vai ter Parque de Ciência e Tecnologia do Mar

Um investimento superior a 3,5 milhões de euros vai fazer nascer em Peniche o Parque de Ciência e Tecnologia do Mar – SmartOCEAN, um projecto em que são parceiros a autarquia, a Docapesca, o Politécnico de Leiria e o Biocant. O turismo costeiro será uma das áreas que irá abranger.

De acordo com uma nota do IPL – Instituto Politécnico de Leiria, o SmartOCEAN, que deverá começar a ser construído em 2020, será “uma infra-estrutura tecnológica de acolhimento empresarial focada na economia do mar” e nascerá para cumprir o objectivo de “concretizar o desígnio do mar e incentivar a exploração sustentável dos recursos marítimos”

De acordo com o IPL, este será “um projecto estruturante que promoverá a transferência de conhecimento para o tecido empresarial e a inovação de base tecnológica”, permitindo “captar e reter talentos e recursos e gerar inovação sustentável, assumindo o papel de agente catalisador de uma economia do mar sustentável, fortemente empreendedora, valorizando economicamente a investigação aplicada, e tirando vantagem de uma rede colaborativa focada na inovação amiga do mar e do ambiente”.

Representando um investimento superior a 3,5 milhões de euros, verba financiada através de fundos comunitários do programa MAR2020 e de fundos próprios da associação que irá gerir o equipamento, o SmartOCEAN é um projecto conjunto da Câmara Municipal de Peniche, da Docapesca – Portos e Lotas, S.A., do Politécnico de Leiria e do Centro de Inovação em Biotecnologia de Cantanhede (Biocant).

Ocupando uma área de 1500m², junto ao edifício CETEMARES, na zona central da cidade de Peniche, o Parque de Ciência e Tecnologia do Mar foi desenhado, segundo o IPL, para servir de interface entre os sistemas empresarial e científico, e “será dotado de condições de excelência, em termos físicos e em equipamentos tecnológico, com vista à incubação de empresas” de áreas como a aquacultura, biotecnologia e turismo costeiro, entre outras.

A infra-estrutura pretende criar uma “relação simbiótica” entre o território de Peniche, “a formação superior nas áreas do turismo e ciência e tecnologias do mar, na Escola Superior de Turismo e Tecnologia do Mar (ESTM), e da infra-estrutura científica do IPL dedicada ao mar, o CETEMARES.