Pestana Hotel Group interpõe providência cautelar ao Ministério do Mar

A nova providência cautelar que o Pestana Hotel Group interpôs ao Ministério do Mar surge a favor da sustentabilidade do destino turístico do Estuário do Sado e da Península de Tróia.

O grupo hoteleiro requer a suspensão imediata do Título de Utilização Privativa do Espaço Marítimo Nacional (TUPEM) que, através da Direcção Geral de Recursos Naturais, Segurança e Serviços Marítimos (DGRM) foi concedido à CIMPOR – Indústria de Cimentos, para a imersão no mar de 114.000m³ de materiais arenosos com contaminação vestigiária, provenientes de dragagens de manutenção na área de acesso ao cais da TEPORSET.

À semelhança de outras entidades, o Pestana Hotel Group entende que este TUPEM é ilegal, por não cumprir com a legislação aplicável, e por considerar que a realização da operação agora licenciada pela DGRM, bem como as dragagens projectadas causarão impactos irreversíveis na economia da região, bem como no meio ambiente. “A gestão deste tema não parece estar de acordo com aquilo que é uma visão moderna e de melhores práticas da sustentabilidade”, afirma José Roquette, Chief Development Officer do Pestana Hotel Group.