Plano estratégico do Turismo de Lisboa 2020/24 em processo de consulta

O plano estratégico do Turismo de Lisboa para o quinquénio 2020-2024 encontra-se em fase de consulta até ao fim do ano, disse o director-geral da ATL, e presidente da ERTL, Vítor Costa.

Respondendo a uma questão colocada pelo turisver.com, o responsável, que falava, segunda-feira, na apresentação do estudo do impacto económico do turismo na cidade e região de Lisboa, adiantou que após este processo de consulta, será elaborado o documento, para então ser aprovado “quer pela Associação Turismo de Lisboa, quer pela Entidade Regional do Turismo porque, vai ser de novo, um plano que em termos legais é considerado como o plano regional de turismo”.

Vítor Costa acredita que questões como “a consolidação e o reforço da procura para a região, mas sobretudo a aposta no aumento da rentabilidade” merecerão análise profunda do documento que vai nortear a actividade turística nos próximos anos.

Entretanto, o director-geral da ATL confirmou que até ao final deste ano este ano os barcos poderão regressar à antiga estação fluvial Sul e Sueste, depois de anos fechada. As obras de recuperação do histórico edifício desenhado por Cottinelli Telmo em 1929, já começaram, e a traça modernista será mantida de acordo com um projecto de Ana Costa, neta do arquitecto. A estação vai passar a ser um “terminal de actividade marítimo-turística”.

Vítor Costa indicou que ainda não estão decididas outras componentes que poderão complementar a estrutura, dependendo do último parecer do LNEC, que deverá ser conhecida no princípio do próximo mês de Março. “Com este parecer ficará definido exactamente o que será feito para consolidar a margem Sul e a margem poente da estação. Mas em relação à estação em si, as obras estão em curso, e mesmo que não haja essa intervenção de consolidação, vai entrar em funcionamento. Sabemos  que há muitas expectativas dos operadores marítimo-turísticas, pois o objectivo é haver no centro da cidade um local de apoio e de irradiação de toda a operação de circuitos e passeios no barco no Tejo, que neste momento não têm essas condições”, disse.

Este projecto em curso, através da ATL, enquadra-se no âmbito de parcerias com a Câmara Municipal de Lisboa e com o Governo, tal como a conclusão do inacabado do Palácio Nacional da Ajuda, que deverá ficar pronto no primeiro trimestre de 2020, mais de 200 anos depois da primeira interrupção na sua construção. As obras incluem a construção de uma sala de jóias onde se irá instalar (em exposição) a valiosa colecção do Tesouro Real português.