Portugal ajuda Cabo Verde a minimizar o impacto negativo do turismo

De visita a Cabo Verde, a secretária de Estado do Ordenamento do Território e Conservação da Natureza, Célia Ramos, atestou que Portugal vai continuar a ajudar aquele país africano a minimizar o impacto negativo do turismo no ordenamento das ilhas mais visitadas.

Os assentamentos informais com habitações sem qualidade representam um dos principais desafios do ordenamento do território em Cabo Verde. As obras de requalificação destes assentamentos nas ilhas do Sal e da Boavista, as ilhas mais visitadas, são realizadas pelo Governo de Cabo Verde, que conta com a parceria técnica de Portugal, através do Ministério do Ambiente e da Transição Energética.

Em declarações feitas à agência Lusa aquando da sua visita a Cabo Verde, a governante portuguesa confirmava o “grande problema da habitação” que existe no Sal, com assentamento informais que resultam da procura de empresa no sector do turismo. “Tem havido um crescimento exponencial destas estruturas”, sendo que o apoio técnico de Portugal permite melhorias ao nível da água, esgotos, electricidade e pavimentação.

No terreno estão um engenheiro e um arquitecto portugueses, pagos pelo Estado português, que apoiam estas zonas ao nível do ordenamento. Para a governante, o país “não estava preparado para receber esta carga turística”, o que levou a que surgissem “problemas ambientais graves”, em concreto ao nível da água e dos resíduos, “mas esta é uma área em que Portugal quer continuar a apoiar Cabo Verde”.

Célia Ramos, secretária de Estado do Ordenamento do Território e Conservação da Natureza, visitou Cabo Verde a convite da ministra das Infra-estruturas, Ordenamento do Território e Habitação daquele país, Eunice Silva.