Portugal assina Declaração de Casablanca que quer reduzir impacto do turismo sobre o clima

Os ministros titulares da pasta do Turismo do Diálogo do Mediterrâneo Ocidental (Diálogo 5+5), no qual participou Portugal, reafirmaram o seu compromisso de trabalhar no sentido, tanto para reduzir o impacto das actividades do turismo sobre o clima, como também as consequências das alterações climatéricas sobre o sector, de acordo com a Declaração de Casablanca assinada no final do encontro.

A 4ª Conferência de Ministros do Turismo do Diálogo Mediterrâneo Ocidental 5 + 5 (Portugal, Espanha, Itália, Malta, França, Argélia, Líbia, Marrocos, Mauritânia e Tunísia), decorreu esta segunda-feira, em Casablanca. Portugal esteve representado pelo ministro da Economia, Manuel Caldeira Cabral.

Sob o tema ” Turismo e Mudanças Climáticas, a reunião serviu de quadro para discutir a relação complexa entre factores climáticos e turismo. Os ministros do Turismo do Mediterrâneo Ocidental 5 + 5 Diálogo também se concentraram na adaptação e atenuação a adoptar para enfrentar a mudança climatérica num contexto frágil.Os dez países alegam, entre outras, a sua determinação em empreender, no quadro de um esforço concertado, medidas que visem atenuar e até limitar os impactos das mudanças climatéricas sobre o desenvolvimento do turismo, nomeadamente através da promoção de meios de transporte mais limpos, adaptação da oferta turística para aliviar a pressão no litoral, e ainda melhorar a eficiência energética, assim como promover as energias renováveis em edifícios turísticas. O uso racional dos recursos naturais e gestão de resíduos no sector do turismo foi outro princípio adoptado na reunião de Casablanca.