Portugal bate recorde da década como destino de férias dos portugueses

Estudo TGI (Target Group Index) Marktest diz que embora o número de portugueses que faz férias no estrangeiro não desça, “desde 2008 que Portugal não era um destino tão procurado pelos portugueses para gozarem férias”. Espanha mantém-se como segundo destino e o Brasil não pára de descer nas preferências dos portugueses.

Segundo os resultados do estudo que foram difundidos esta quinta-feira, 8 de Agosto, “apesar de não se registarem quebras nas férias fora do país, 66,9% dos portugueses escolheram Portugal Continental como destino de férias durante o último ano”.

Este valor representa um crescimento de 2.1p.p. face a 2018 e é apenas superado pelo registo do TGI em 2008, quando 71,3% dos inquiridos disseram ter escolhido Portugal para passar férias.

Em 2º lugar nas preferências dos portugueses continua Espanha, escolhido para férias por 21,2% dos portugueses que as realizam fora de casa, um número que sobe 3p.p. face ao ano passado. Nos dois lugares seguintes, e com uma percentagem de 5,8% em ambos os casos, aparecem França e os Açores que o estudo desanexa de Portugal Continental.

Destino que continua em quebra, principalmente se forem tidos em conta os números de há uma década, é o Brasil que, segundo o estudo “tem cada vez menos turistas portugueses”. De acordo com o estudo, “o Brasil, que há 10 anos era referido como destino de férias por 3,4% dos portugueses, manteve em 2019 a tendência sucessiva de queda, recuando dos 1,2% de 2018 para 0,5% em 2019. Ou seja, o Brasil está já atrás de destinos de férias como o México ou a Tailândia”.

Em 2018, quase um quarto dos portugueses viajou de avião (24,6%) e, segundo avalia o estudo, “o preço do bilhete é factor decisivo para escolha da companhia aérea nas viagens de férias (72,7%)”, no entanto, em viagens de negócios, “o horário supera ligeiramente o preço” como critério decisivo (60,7% contra 59,1% de referências)”.

Também no que toca à escolha dos hotéis o preço é fundamental. “O preço é o critério preponderante para a escolha dos alojamentos (86,6% de referências), seguido pelos comentários de utilizadores (46,3%)”, aponta o estudo que diz também que a maioria dos portugueses faz reservas em hotéis por 4 ou mais dias (59,4%).

Os resultados são da primeira vaga de 2019 do TGI, o estudo que permite “identificar, conhecer e segmentar o consumidor português de acordo com os seus consumos, posse de bens e serviços”. De acordo com o site da Marktest, esta “1ª vaga de 2019” é referente aos dados recolhidos entre os meses de Julho do ano passado a Junho de 2019.