Primeiro-Ministro quer turismo nas regiões menos tradicionais

O Primeiro-Ministro afirmou na inauguração da terceira edição da Feira Ibérica de Turismo (FIT), na Guarda, que é preciso criar “factores de atractividade que levem os turistas a conhecer regiões que não são as tradicionais e a ficar mais tempo e a gastar mais”, para realçar ser essencial que o interior possa “beneficiar desta onda positiva da procura turística que Portugal vive”.

No seu discurso, António Costa disse que “é essencial desconcentrar a procura turística, geográfica, e ao longo de todo o ano”, acrescentando que o turismo é “um sector que “importa expandir” para aproveitar os recursos endógenos existentes em todas as regiões do país, pelo que é essencial crescer ao nível da oferta. E assumiu que “é nisto que estamos a trabalhar. A criar as condições para promover a sustentabilidade desta actividade turística em todo o território nacional, para que crie de facto riqueza e emprego qualificado”.

“Temos todos grandes desafios pela frente para que o turismo seja uma actividade sustentável de norte a sul e do litoral ao interior”, afirmou o chefe do Executivo.

Para cumprir este objectivo, o Primeiro-Ministro, que estava acompanhado pela secretária de Estado do Turismo, ANA Mendes Godinho, do presidente da Câmara da Guarda, Álvaro Amaro, e do presidente do Turismo do Centro de Portugal, Pedro Machado, lembrou que o Governo que lidera assumiu como prioridades “uma forte aposta na valorização do património e na cultura como factores distintivos”, e está “também a dinamizar um programa de investimento no património público para a sua requalificação para uso turístico”.