Quebra de rendimento do turismo da Tunísia atinge 348 M de dólares

O turismo da Tunísia estima uma perda de rendimento no valor de 348 milhões de dólares, como resultado do ataque verificado contra turistas, em Junho passado, em Sousse.

Este será um grande golpe para a economia do país, que depende em grande medida do turismo. Na Tunísia cerca de 400 mil pessoas trabalham no sector do turismo, e quase 2 milhões de cidadãos dependem directamente da indústria. Em 2014, 14% do PIB veio do sector do turismo, e este ano perspectiva-se que o PIB do país caia um ponto.

A indústria do turismo na Tunísia ainda está a recuperar do massacre na cidade de Sousse no mês passado, que viu 38 turistas europeus morto a tiros, um golpe para o sector que já estava a sofrer quebras na sequência de outro ataque terrorista no Museu do Bardo, em Tunes, que matou 22 pessoas.

No entanto, os acontecimentos de Sousse parecem estar a ter maior impacto sobre o sector do turismo, uma vez que sendo um dos principais destinos turísticos da Tunísia, afectaram todo o país em geral, com quebras de aproximadamente 70% do número de entradas de turistas europeus.

Desde o ataque, as empresas em Sousse foram fechando a um ritmo elevado e vários trabalhadores perderam os seus postos de trabalho. Pelo menos 23 hotéis foram fechados desde o ataque ao Museu do Bardo, o que levou à perda de emprego a cerca de 2.400 empregados no sector do turismo.

No entanto, o governo tunisino tomou medidas importantes numa tentativa de aumentar a segurança, fornecendo novos equipamentos à polícia, tais como veículos de patrulha, equipamentos de protecção e melhores armas. Foram reforçados os patrulhamentos em zonas turísticas para evitar que ocorram incidentes semelhantes. Com a melhoria da segurança, o governo espera que possa restaurar a confiança da comunidade internacional no sector do turismo do país. Por outro lado, as autoridades tunisinas têm vindo a pressionar os governos Ocidentais para revogarem a proibição de viagens dos seus cidadãos à Tunísia. Além disso estão a incentivar os tunisinos a fazerem turismo interno.Com a “fuga” dos europeus, a Tunísia está a olhar com atenção para novos mercados como a China e a Índia.C.M.