Quebra de tráfego aéreo em Abril pode chegar aos 95%, avança a NAV

A estimativa foi avançada esta segunda-feira pela NAV Portugal que deu conta de uma queda de 36% em Março, reflectida na realização de menos 24,3 mil voos. No mês que findou, o total de movimentos realizados nos aeroportos e no espaço aéreo português situou-se nos 42,8 mil.

“A NAV Portugal geriu menos 24,3 mil voos ao longo do mês de Março, uma quebra de 36% face ao mesmo mês de 2019.  Ao todo, registaram-se 43,8 mil movimentos contra os anteriores 68 mil nas duas regiões de informação de voo da NAV Portugal” que, como a entidade explica, cobre todo o espaço aéreo português e não apenas os seus aeroportos.

Os números, sublinha a NAV “evidenciam o impacto da pandemia de Covid-19 e das diversas medidas assumidas por vários Estados para conter o ritmo de contágio” as quais “determinaram quedas abruptas” na aviação mundial.

Depois de em Janeiro e Fevereiro, o tráfego aéreo ter ficado em linha com os mesmos meses do ano passado, com cerca de 119 mil movimentos, e de a primeira quinzena de Março não ter registado oscilações muito pronunciadas, foi “a partir do dia 16 que se iniciou um ciclo de quebras cada vez mais acentuadas à medida que diversas ligações começaram a ser suspensas”. No cômputo do mês, a quebra viria a situar-se nos 36% mas, se for contabilizada apenas a última semana de Março, “a quebra do tráfego superou os 85%”.

O número serve de base às estimativas da NAV para o mês de Abril, para o qual diz serem expectáveis “quebras a rondar os 85% e 95%” já que “as suspensões de ligações aéreas irão provavelmente manter-se”, tal como “o encerramento temporário dos aeroportos em Portugal” a que acrescerá o facto de várias companhias terem já anunciado que manterão a maioria dos aviões em terra até Maio, lembra a empresa de navegação aérea.

De acordo com o comunicado divulgado, no aeroporto Humberto Delgado, em Lisboa, a primeira semana de Março terminou com +0,72% de tráfego, enquanto a segunda semana registou -2,94% e a terceira -50%. Já na última semana, o tráfego afundou -86,7%, registando-se 525 voos contra os 3.591 voos da última semana de Março de 2019.

No Aeroporto do Porto, o tráfego recuou -2% na primeira semana de Março, caindo para -4% na semana seguinte e -57% na terceira semana. Já na última semana foram registados -87% de voos, ou seja, 244 voos contra 1.927 na mesma semana de 2019.

Em Faro, a primeira semana de Março trouxe +10% de voos controlados, seguindo-se quedas de -6%, -35% e -86%, sendo que na última semana do mês, Faro contabilizou 159 voos, contra os 1.098 registados no mesmo período do ano passado.

No Aeroporto da Madeira foram registadas quebras de -1% e -3% nas duas primeiras semanas do mês, -35% na terceira semana e -91,3% na última semana do mês, quando foram geridos no Funchal apenas 44 voos, contra os 504 registados no período homólogo de 2019.

“A queda acentuada do tráfego é bastante preocupante, por tudo o que tal representa em termos de impactos na economia, no emprego e na vida das pessoas”, comenta, em comunicado, o presidente Conselho de Administração da NAV Portugal.