Receitas da easyJet aumentaram 11% no trimestre

No 3º trimestre de operação deste ano fiscal, que para a easyJet terminou a 30 de Junho, a companhia low cost apresentou um aumento nas receitas superior a 11%, comparativamente ao período homólogo do ano passado, tendo, no período em análise, transportado mais 2 milhões de passageiros.

Segundo revela a empresa em comunicado, “a companhia apresentou um forte desempenho no terceiro trimestre de operação”, que terminou no final do mês passado. A receita por assento foi positiva, tendo sido registado um forte desempenho de rentabilidade, resultante das iniciativas de receita da easyJet, bem como pelo crescimento positivo da receita e um sólido desempenho na Páscoa. O que também cresceu foi o número de passageiros transportados neste período: + 2 milhões, perfazendo um total acima dos 26 milhões.

O custo por assento, excluindo o combustível, sofreu uma diminuição durante o trimestre, graças aos rápidos progressos da companhia com os custos subjacentes e desempenho operacional. De acordo com a comunicação da empresa, os progressos registados pela companhia foram impulsionados principalmente pelo “foco contínuo na resiliência operacional, que tem vindo a impulsionar melhorias no atendimento ao cliente e significativamente menos atrasos e cancelamentos”.

“Apesar das condições macroeconómicas mais rigorosas, a easyJet apresentou um forte desempenho durante o terceiro trimestre, mantendo-se em linha com as expectativas. Registámos um aumento superior a 11% da nossa receita, com o aumento do RPS impulsionado por uma combinação de iniciativas de receita bem-sucedidas, um sólido desempenho na Páscoa e pelo programa de custos da easyJet, que permitiu um aumento de dois milhões de passageiros, perfazendo mais de 26 milhões”, comentou a propósito Johan Lundgren, director executivo da easyJet.

O responsável sublinhou ainda que a companhia conseguiu “melhorar a experiência dos nossos clientes, com a redução significativa de cancelamentos e de atrasos, graças ao nosso investimento em resiliência operacional, que também contribuiu significativamente para reduzir o custo por assento e combustível, em moeda constante, em 4% durante este período”.

Lundgren deixou ainda claro que a companhia está muito focada em aumentar a rentabilidade por assento. “Estamos convictos de que com o segundo semestre a alcançar já os 78% de reserva, teremos uma visão mais clara dos resultados que iremos apresentar no final do ano, onde contamos registar um lucro antes dos impostos entre £400 milhões”, afirmou.