Receitas do Grupo Europcar subiram 6,1% no 3º trimestre

Aumento das receitas em 6,1% e do EBITDA em 9,5% para 154,2 milhões de euros marcaram o terceiro trimestre da Europcar. Segundo a empresa, os bom resultados conseguidos nos meses de Julho a Setembro “estão em linha com as projecções”.

As receitas totais ascenderam a 692,6 milhões de euros, mais 4,2% em termos orgânicos que no período homólogo anterior, enquanto as receitas de aluguer cresceram até 6,1% a taxas de câmbio fixas, evolução suportada principlamente pelo aumento do número de dias de aluguer.

“A Europcar registou um forte terceiro trimestre, com um crescimento dos resultados orgânicos de 4,2% face ao terceiro trimestre de 2014 e uma grande margem no EBITDA, em linha com o nosso compromisso de gerar crescimento consistente e sustentado. A prestação alcançada no terceiro trimestre combinado com a dinamização do nosso Plano de Transformação, o Fast Lane, permitiu-nos elevar as orientações que tinhamos definido inicialmente. Graças ao sucesso do IPO, estamos agora aptos para acelerar a nossa estratégia de implantação no rápido crescimento do mercado de mobilidade através do alargamento e diferenciação da oferta da nossa linha de topo. Neste quadro, a nomeação de um Chief Customer Journey Officer é um passo importante na nossa estratégia de clientes”, referiu Philippe Germond, presidente do Conselho de Administração do Grupo Europcar.

Na apresentação dos resultados do terceiro trimestre deste ano, é ainda sublinhada a actualização da previsão do EBITDA Corporativo Ajustado para todo o ano de 2015 aponta para um valor ligeiramente superior a 250 milhões de euros (as previsões anteriores eram de 245 milhões).

De salientar também que o número de dias de aluguer atingiu os 17,8 milhões representando um crescimento de 7,6%, com todos os países a crescerem. A empresa destaca no entanto o grupo de países do Sul que “aproveitou a dinâmica de crescimento da área de lazer da marca Europcar, acelerada pela implantação bem-sucedida da InterRent”. Já o segmento de negócios registou “um crescimento em volume, em particular no segmento das PME e no da substituição de veículos, em linha com a estratégia de crescimento rentável das vendas”.