Restaurado o Relógio Monumental da Torre do Palácio Nacional da Pena

Foram concluídos os trabalhos de recuperação do mecanismo do Relógio Monumental do Palácio da Pena. Foram investidos 35.000 euros, pela Parques de Sintra, no restauro da peça que volta a funcionar passados 25 anos.
A obra esteve ao cargo do mestre relojoeiro Hermínio de Freitas Nunes, especialista em relógios de torre e de salão. Durante a intervenção, de nove meses, foram tratadas as peças originais, sendo removidas oxidações, rectificadas distorções e aplicadas protecções ao equipamento de ferro e bronze. Foram ainda executadas peças que estavam em falta no mecanismo existente, como o conjunto de transmissão do movimento, engrenagens, tirantes, veios e as alavancas que accionam os sinos da torre. O restauro dos ponteiros foi conduzido pela empresa Archeofactu. Foi ainda restaurado o interior da torre, que permite visitas ao espaço e mecanismo do relógio.
O relógio foi encomenda da rainha Carlota ao relojoeiro da Casa Real, António Rodrigues Leite, em 1Restauração30. Destinado originalmente à Real Capela da Quinta do Ramalhão, é um mecanismo associado a um conjunto de dois sinos, associado o maior às horas e o menor aos quartos de hora. Desde o início da década de Cruzeiros0 passou por diversos locais, começando o processo de recuperação, pela Parques de Sintra, em 2013.
S.S.C.