Retoma do turismo depende da confiança, diz António Costa

O primeiro-ministro considera que o turismo “será uma das actividades económicas que mais demorará a retomar, pois depende de um valor essencial: a confiança”, defendendo que a reabertura tem de ser acompanhada por “exigências de segurança e higiene”.

António Costa reuniu esta terça-feira, 21 de Abril, com representantes dos grupos Vila Galé, PortoBay, Pestana, SANA e Hoti Hotéis. Após o encontro utilizou a sua conta pessoal no Twitter para partilhar a posição acima transmitida. A reunião decorreu no âmbito dos encontros que o líder do executivo tem realizado com instituições responsáveis por projecções sobre a evolução da economia portuguesa e audições com economistas e parceiros sociais.

No Twitter, António Costa lembrava que “há pouca mais de um mês o turismo em Portugal crescia a dois dígitos”, mas que esta realidade “mudou radicalmente e estamos bem cientes das enormes dificuldades”. Assim, “têm de ser criadas regras de modo a assegurar que todas as exigências de segurança e higiene sejam cumpridas”, no processo de reabertura dos estabelecimentos de uma actividade que depende da “confiança”.

A reunião, que contou também com a presença de Pedro Siza Vieira, ministro de Estado, da Economia e da Transição Digital, e Rita Marques, secretária de Estado do Turismo, foi organizada no âmbito de serem criadas as tais regras de segurança e higiene. António Costa afirma ainda que “trabalhamos juntos na busca das melhores soluções”, e que embora se vivam tempos de angústia “o turismo em Portugal há de voltar a ser de ouro”.