Rebelo de Sousa: “O turismo com êxito duradouro impõe uma estratégia nacional conjugada”

O presidente da República afirmou que “o turismo pode ser ainda mais no futuro um contributo essencial na riqueza nacional porque corresponde à nossa vocação de sempre, o sermos plataforma entre culturas, civilizações, oceanos e continentes”, mas “o turismo com êxito duradouro impõe uma estratégia nacional conjuga entre público e privado.

  

O Chefe de Estado que falava, em Lisboa, no encerramento do IV Cimeira do Turismo Português, promovida pela Confederação do Turismo de Portugal (CTP) no âmbito das comemorações do Dia Mundial do Turismo, chamou várias vezes atenção que “não devemos ter medo do turismo, de ter medo do papel do turismo no nosso crescimento, na sua expansão e diversificação, de ser mais sustentável e cada vez menos sazonal”, mas “temos, porém, que saber que turismo queremos para Portugal”.

Marcelo Rebelo de Sousa referiu, por outro lado, que o êxito do nosso turismo tem que passar a ser ao longo do ano, haver maior equilíbrio regional  “e aqui não posso deixar de falar dos vários portugais e interiores por vezes esquecidos pelo Portugal metropolitano”, e acima de tudo, qualidade, ou seja “mais educação, mais formação, mais qualificação , mais inovação”, num discurso em que deu enfoque à sustentabilidade.

Sobre o tema caro aos operadores do turismo, e que foi amplamente debatido na IV Cimeira do Turismo Português, ou seja, a execução do Aeroporto do Montijo, o Presidente da República espera que seja célere pois é preciso “recuperar o tempo perdido”.

“Penso que o senhor primeiro-ministro foi muito claro em dizer que faltava apenas um ponto de pormenor no domínio ambiental, de clarificação, para ser apresentada formalmente a decisão do Governo. E, sendo assim, fico feliz”, comentou Marcelo Rebelo de Sousa aos jornalistas, à margem da IV Cimeira do Turismo, que decorreu em Lisboa.

Marcelo Rebelo de Sousa acrescentou que, a concretizar-se “essa decisão iminente”, o desafio passa a ser outro: “A execução, que tem de ser rápida, para recuperarmos aquele tempo que outros ganharam à nossa custa”.

Refira-se que o primeiro-ministro, António Costa, afirmava no mesmo dia, e na abertura da mesma cimeira que apenas se aguarda o estudo de impacto ambiental para ser “irreversível” a solução aeroportuária Portela + Montijo.