Revive: Paço Real de Caxias tem três interessados

Foram apresentadas três propostas no concurso de concessão lançado para o Paço Real de Caxias, em Oeiras, no âmbito do Programa Revive, a 24 de Setembro. As propostas foram feitas para um prazo de concessão de 50 anos e uma renda anual mínima de cerca de 175 mil euros.

O concurso, que terminou na quinta-feira 14 de Novembro, contempla a concessão da totalidade do imóvel, cuja área de construção é de 5.817m². O investimento estimado para a recuperação do Paço Real é de aproximadamente 11 milhões de euros. O imóvel deverá ter qualquer vocação turística.

O Paço Real de Caxias foi construído em meados do século XVIII, por vontade do Infante D. Francisco de Bragança e concluído pelo futuro rei D. Pedro V. O espaço destaca-se pelos jardins geométricos envolventes, de influência francesa, inspirados nos jardins de Versalhes, pela cascata e diversas esculturas nos jardins.

Classificado como Imóvel de Interesse Público desde 1953, este imóvel foi utilizado como residência de férias da família real, entre outras utilizações, tendo acolhido nos últimos anos os serviços do Ministério da Defesa Nacional.

O Paço Real de Caxias é um dos 33 imóveis inscritos na primeira fase do Programa Revive. De momento estão abertos os concursos para a concessão do Mosteiro do Lorvão, em Penacova, e do Mosteiro de S. Salvador de Travanca, em Amarante. Prevê-se para breve o lançamento do Palacete dos Condes Dias Garcia, em São João da Madeira, integrado já na segunda fase do Programa.