Rota da LATAM é “nova oportunidade de negócio para o sector”, diz Pedro Costa Ferreira

A LATAM comemorou esta quarta-feira, junto do trade, a sua entrada em Portugal. No evento na Estufa Fria, em Lisboa, o presidente da APAVT, Pedro Costa Ferreira que destacou o facto de a nova rota aumentar a concorrência e por via disso a qualidade de serviço, aproveitando para deixar claro que “os agentes de viagens vão saber escolher entre quem quer dialogar connosco e quem não quer dialogar connosco”.

Pedro Costa Ferreira referia-se ao facto de a LATAM Airlines, logo que entrou em Portugal ter procurado “estreitar relações” com a APAVT e através dela com os operadores turísticos e agentes de viagens. “A LATAM quando chegou a Portugal, a primeira porta a que foi bater foi à da APAVT para apresentar cumprimentos e para perguntar como é que podíamos estreitar relações”, contou o presidente da Associação que destacou este comportamento de forma elogiosa por entender que “neste momento, face às dificuldades de operação e face às atitudes ao longo da cadeia de valor, o diálogo é muito preciso”.

Esta atitude, afirmou, foi registada pela APAVT com o seu presidente a a deixar claro que “certamente, os agentes de viagens vão saber escolher entre quem quer colaborar connosco e quem não quer dialogar connosco”.

O responsável sublinhou que a nova rota entre São Paulo e Lisboa, que é uma “nova oportunidade de negócio para o sector”, traz mais concorrência e melhora os níveis de qualidade de serviço. “Esta rota tem a particularidade de trazer mais concorrência, e nós achamos que o sector aéreo precisa de mais concorrência, porque precisa de mais qualidade de serviço. É disso que os nossos clientes se queixam e é à volta disso que, todos os dias, estamos a trabalhar”.

A propósito afirmou ainda: “tenho a certeza que, com esta nova rota, a LATAM vai contribuir para mais qualidade de serviço aos nossos clientes”.

 

Também presente no evento, o Chief Commercial Officer da ANA- Aeroportos, Francisco Pita, referiu-se à rota da LATAM como “talvez um dos melhores exemplos daquilo que é a estratégia de desenvolvimento de rotas que temos seguido para o Aeroporto de Lisboa” e que passa “por uma aposta na diversificação de companhias aéreas, mas também da rede de destinos servidos, não só de forma directa, mas também de forma indirecta”.

Afirmando que a LATAM “veio diversificar a oferta para o mercado à partida do Brasil mas também veio ampliar muito aquilo que é a rede de conectividade do Aeroporto de Lisboa com toda a América Latina”, Francisco Pita desafiou a LATAM a ponderar a ampliação da sua operação em Portugal, colocando voos à partida do Porto.