Royal Caribbean investe 900 milhões de dólares na revitalização de navios

Através do programa Royal Amplifie, a Royal Caribbean tem um plano de investimento de 900 milhões de dólares (cerca de 730 milhões de euros), para remodelar parte da sua frota. O plano, já em execução, tem uma agenda que se prolonga até 2021, avançou Francisco Teixeira, director-geral da Melair, numa apresentação a bordo do navio Celebrity Silhouette, em Lisboa.

Este programa de modernização, explicou Francisco Teixeira, visa “trazer os navios menos recentes para um patamar mais equilibrado com os navios mais novos e, dessa maneira, conseguir uma homogeneidade maior da oferta” da Royal Caribbean.  Por isso, o programa de modernização contempla as mais diversas áreas dos navios, desde a expansão dos decks de entretenimento apresentando propostas novas e mais aventureiras, até à diversificação da oferta gastronómica e da animação nocturna.

As alterações não são, no entanto, as mesmas em todos os navios. “Quando a Royal Caribbean faz uma modernização não copia exactamente as mesmas coisas para todos os navios”. Isto porque, explicou Francisco Teixeira, “há navios que estão mais dedicados a um determinado mercado, pelo que a companhia desenvolve a modernização com base nas preferências desse mercado”. Mas, de forma geral, o que está a ser introduzido nos navios revitalizados ou a revitalizar são novos pólos de entretenimento como o escorrega Perfect Storm, Planet Z (jogo de laser tag), o Observatório (jogos de equipa), além de serem introduzidos novos espaços de gastronomia como o Fish & Ships, avançou o director-geral da Melair.

O programa já começou a ser aplicado e em 2018 foram já intervencionados dois navios, concretamente o Independence e o Mariner of the Seas. No próximo ano, será a ver dos navios Navigator, Voyager e Oasis of the Seas, para 2020 está prevista a revitalização dos navios Allure, Freadom e Explorer, ficando para 2021 a modernização de mais dois navios.

A modernização da frota da Royal Caribbean passa também, em muito, pela introdução de novos navios e, depois de este ano a companhia ter visto chegar o Symphony of the Seas, em 2019 será inaugurado o Spectrum of the Seas, desenhado de raiz para o mercado chinês, em 2020 será lançado o 5º navio da classe Quantum; em 2021 o quinto navio da classe Oásis e para 2022 e 2024 está marcada a chegada de dois navios de uma nova classe, a Icon que, segundo Francisco Teixeira, não irá trazer navios maiores que os actuais, nem sequer da dimensão da classe Oásis, mas serão certamente mais eficientes, tecnológicos e amigos do ambiente, já que serão movidos a gás natural liquefeito e células de combustível.