Ryanair apela a fim de quarentenas obrigatórias

A Ryanair recebeu com satisfação as recomendações da União Europeia para a retoma das viagens em segurança, apelando aos governos da Irlanda e Reino Unido o fim da quarentena de 14 dias à chegada.

Para a companhia aérea low cost, as medidas avançadas pela União Europeia permitem que a indústria turística da Europa retome as operações em Julho e Agosto. Destaca, sobretudo, a recomendação da utilização de máscaras, um dos parâmetros que constam nos protocolos da transportadora. Ler mais [aqui].

Por outro lado, condena as quarentenas obrigatórias, como sendo uma medida ineficaz. “A medida que exige que os passageiros internacionais sejam colocados em quarentena depois de terem utilizado inúmeros transportes públicos na sua deslocação entre o aeroporto e o seu destino final não tem qualquer base científica e médica”, atesta Michael O’Leary.

Assim, o CEO do Grupo Ryanair apela “veementemente aos governos da Europa, especialmente da Irlanda e do Reino Unido, a que introduzam o uso de máscaras aos passageiros das companhias aéreas, dos comboios e do metro (Londres), uma vez que é a medida mais eficaz para limitar a propagação da Covid-19 em transportes públicos”.

“Os cidadãos europeus podem viajar em segurança nas suas férias de Verão com máscaras e protocolos de controlo de temperatura, mas as quarentenas de 14 dias não têm base científica. São inacessíveis e desnecessárias em circunstâncias em que os passageiros usam máscaras e quando o distanciamento social não é possível”, acrescenta o responsável.