Ryanair cancela até 25% da operação para Itália durante 3 semanas

A companhia aérea low cost vai cancelar até 25% da sua operação de curto e médio curso, em especial de e para a Itália, entre 17 de Março e 8 de Abril, em resposta ao Coronavírus. Todos os passageiros afectados pela medida já foram contactados.

A medida implementada em resposta ao impacto do Covid-19 surge após, a semana passada, a Ryanair ter registado uma quebra intensa nas reservas para o período entre final de Março e início de Abril. A companhia aérea tem contado, também, com um grande número de no-shows nos seus voos, particularmente naqueles com origem ou chegada a Itália.

A Ryanair avança que não prevê que esta quebra influencie de sobremaneira os resultados do presente ano fiscal, a fechar em Março, mas que ainda é cedo para especular o impacto do Covid-19 nos resultados no ano fiscal que se segue. Assim, atesta que vai continuar a monitorizar atentamente as reservas e a ajustar os seus horários em resposta à situação que se vem desenvolvendo.

A companhia aérea low cost tem trabalhado em conjunto com autoridades de saúde locais e seguido as recomendações da OMS e EASA, para garantir o bem-estar e saúde dos seus passageiros e trabalhadores. Implementou, desde 24 de Fevereiro, uma reunião diária sobre o Coronavírus, para todas as áreas da empresa, com foco em manter a eficiência operacional e economia de custos, respondendo à queda causada pelo Covid-19.

“Faz sentido alterar selectivamente a nossa operação de e para os aeroportos onde as viagens têm sido mais afectadas pelo surto de Covid-19”, afirma Michael O’Leary, CEO do Grupo Ryanair. Avança que “vamos fazer cortes sensatos nos nossos horários durante as próximas semanas, no reflexo de reservas mais fracas e mudanças nos padrões de viagem”. Assegura que os passageiros serão avisados de alterações aos seus voos com um mínimo de 14 dias de antecedência.