SET destaca estratégia da BTL e diz que “casa bem” com a do Governo

O secretário de Estado do Turismo, Adolfo Mesquita Nunes, evidenciou o esforço que a BTL – Feira Internacional de Turismo tem vindo a realizar para colocar Portugal como uma “plataforma que ligue vários continentes”, considerando que esta opção “casa bem com aquilo que tem sido a estratégia do Governo, no sentido de reforçar o papel de Portugal nas organizações internacionais de turismo”. “Há algo na estratégia da BTL que é bem recebido pelo Governo, que é o posicionamento de Portugal como uma plataforma que ligue vários continentes e que aproveite as capacidades de Portugal e a sua localização estratégica para funcionar como um espaço central entre África e a Europa e entre a América Latina e a Europa”, afirmou o governante, durante a apresentação da próxima edição do certame, que decorre entre 12 e 16 de Março. Mesquita Nunes considerou que a opção da BTL “casa bem com aquilo que tem sido a estratégia do Governo, no sentido de reforçar o papel de Portugal nas organizações internacionais de turismo, procurando demonstrar a sua experiência e capacidade, que este ano vem evidenciar e testemunhar”. Neste sentido, o secretário de Estado do Turismo referiu que é também por isso que, este ano, a BTL vai receber o primeiro Fórum de Negócios e Investimento no Turismo da CPLP, numa organização conjunta entre a Organização Mundial do Turismo (OMT), a CPLP e o Governo de Portugal, uma iniciativa que, afirmou, “procura precisamente potenciar esta estratégia do Governo” e “reforçar o papel, quer da BTL quer de Portugal, neste mundo tão competitivo como o do turismo”. Apesar da ligação que apontou, Mesquita Nunes afirmaria também que “a BTL é uma organização que não tem que ver com o Governo”, ainda que “estas sinergias” sejam positivas para o país e para o turismo em particular. “Gostava de desejar a melhor das sortes para esta edição da BTL porque mais destinos convidados, mais hosted buyers e mais visitantes são um bom indício de que o ano de 2014 possa vir a ser melhor que 2013, o que seria muito bom para a indústria do turismo”, concluiu.