TAP promoveu rota para a Gâmbia no Porto e em Lisboa

Para promover a sua nova rota para Banjul, capital da Gâmbia, iniciada a 26 de Outubro, a TAP realizou a semana passada dois workshops, um no Porto e outro em Lisboa, em conjunto com os operadores turísticos Viajar Tours e Egotravel que já colocaram no mercado programação para este destino.

Os workshops visaram igualmente a promoção da Gâmbia enquanto destino turístico que, segundo Dionísio Barum, responsável da área de vendas Portugal e África da TAP, pode servir como alternativa a outros destinos da mesma região africana.

“Estamos a procurar vender a Gâmbia como uma alternativa a Cabo Verde”, afirmou o responsável da TAP, sublinhando que a Gâmbia é “um país interessante e seguro” da “África profunda”, com tudo o que isso implica em termos ambientais e paisagísticos.

Os voos entre Lisboa e Banjul, operados em Airbus A320, partem de Lisboa às terças, quintas e sábados, às 20h55 e chegam a Banjul às 01h10 do dia seguinte, de onde descolam às 2h05 (às quartas, sextas e domingos), para aterrar no aeroporto Humberto Delgado às 6h05 (horas locais).

De acordo com Dionísio Barum, as vendas para o destino estão a correr, não havendo já disponibilidade de lugares para os períodos de Natal e final do ano.

Com programas para a Gâmbia já lançados no mercado, Viajar Tours e Egotravel, deram a conhecer a oferta hoteleira do destino e os seus atractivos turísticos. A praia ocupa lugar de destaque mas tanto Nuno Anjos (Viajar Tours) como Ricardo Teles (Egotravel), sublinharam o facto de a Gâmbia contar com monumentos e locais inscritos na lista do Património da Humanidade, nomeadamente os círculos megalíticos da Senegâmbia (fronteira com o Senegal) e de Wassu e a Ilha James, no rio Gâmbia.

Além da sempre atractiva visita aos mercados de Banjul, onde se pode contactar de perto com os cheiros, as cores e os sabores africano, os operadores aconselharam também um leque de excursões que estão à disposição dos turistas portugueses, desde um city tour em Banjul à descoberta dos manguezais em kyake pelo rio Gâmbia, passando pela Floresta Sagrada ou pelo birdwatching. Outras possibilidades passam por ter aulas de gastronomia com os locais ou fazer uma experiência de safari.

A programação já lançada no mercado por ambos os operadores, válida para 2019/2020, apresenta preços que começam em torno dos mil euros por pessoa, dependendo da época, dos hotéis e do regime alimentar escolhido.

 

*Leia mais na edição de Dezembro da revista Turisver