Torres Vedras vai ter pólo de vinho e gastronomia

O antigo edifício do Instituto da Vinha e do Vinho de Torres Vedras vai ser transformado em Pólo de Inovação do Vinho e da Gastronomia, anunciou a autarquia. O projecto foi apresentado dia 7 de Junho.

De acordo com a autarquia, que desde há alguns anos é proprietária das antigas instalações do Instituto da Vinha e do Vinho de Torres Vedras, o futuro Pólo de Inovação do Vinho e da Gastronomia deverá ser “uma estrutura polinuclear, em diálogo com a paisagem e suportada em rede por outros centros de interpretação, investigação, mediação e empreendedorismo, nos planos regional, nacional e internacional”.

Embora com base no sector da vinha e do vinho, irá englobar  “toda a cadeia de valor do sector agro-alimentar, sob o sentido amplo de cultura gastronómica – património de saberes e rituais que afirmam uma identidade territorial”, explica ainda uma nota enviada pelo Município.

O Pólo de Inovação do Vinho e da Gastronomia irá, assim, integrar diversas valências, nomeadamente, um centro de interpretação, com uma exposição permanente, de que constará um núcleo sobre o património arquitectónico do respectivo espaço e do IVV; outro sobre a cultura vitivinícola e gastronómica do território envolvente; um núcleo de exposições temporárias e ainda uma oferta enogastronómica da região.

Contará também com um arquivo e documentação; uma Colab, constituída por um centro de investigação aplicada (centro gerador de soluções digitais inovadoras para a agricultura, com enfoque na horticultura, fruticultura e viticultura) e laboratórios especializados (Smart Equipment Lab, Fruit Lab, Wine Lab, Horto Lab, Socio&Territorial Lab, Inovation&Business Lab e Sustainability & Quality Lab). Estes irão contar com ligações a redes internacionais, como a Future Food, Unesco Creative Cities Network e Gastronomic Cities European Network.

Integrará igualmente uma incubadora de empresas, unidades de comércio e oficinas. Aqui se inclui, segundo a autarquia, “uma unidade de alojamento hoteleiro, restauração e serviços e produtos gastronómicos de valor acrescentado, bem como oferta educativa e cultural, que passa pela existência de uma cozinha e uma horta comunitária, um FabLab culinário, programas educativos e culturais, visitas educativas ao território e à sua cadeia de produção alimentar e actividades de sensibilização para a gastronomia sustentável e saudável”.